Peregrinação da catequese a Fátima – Testemunho de um pai da catequese familiar

Peregrinação da catequese a Fátima – Testemunho de um pai da catequese familiar

No dia 27 de Maio de 2017 a Paróquia fez uma peregrinação ao Santuário de Nossa Senhora do Rosário de Fátima.

     Esta experiência  extremamente enriquecedora merece, desde já, o profundo agradecimento ao Sr. Padre Jorge Santos e a todas as catequistas que, com a entrega habitual, conceberam, planearam e conduziram esta peregrinação.

Gostámos muito de visitar e de conhecer as casas dos Pastorinhos enquanto espaço de evocação histórica e emocional.

Esta visita constituiu a antecâmara para  a Peregrinação que daria os primeiros passos na Loca do Anjo da Paz. Íamos ao encontro da mensagem anunciadora das futuras aparições da Nossa Senhora. Na altura os pastorinhos precisavam – tal como muitos de nós – de uma preparação espiritual sublimemente condensada na Oração: Meu Deus, eu creio, adoro, espero e amo-vos. Peço-vos perdão para os que não creem, não adoram, não esperam e não vos amam. Estas palavras convidavam os Pastorinhos a um reforço da confiança, da entrega, da esperança e do amor em Deus. Seguíamos nós o mesmo gesto interior dos Pastorinhos e a mesma preparação para acolher nos nossos corações os desígnios de Paz revelados posteriormente por Nossa Senhora. Tal como os Pastorinhos deveríamos nós rezar pela Paz no mundo. Na época esta Oração surgia num período de necessidade premente em resultado da Primeira Guerra Mundial. Hoje este dever não é menos importante quando outro tipo de guerra, o terrorismo, faz tantos refugiados, quer os que fogem da Síria e do Iraque, quer os europeus que, pelo receio intermitente de um atentado imprevisível espacial e temporalmente, vão vendo a sua vida gradualmente mais limitada na sua liberdade.

Seriam, justamente, refugiados os financiadores da construção do Calvário Húngaro onde decorreria a missa presidida pelo Sr. Padre Jorge Santos. Durante a Homilia, o Sr. Padre Jorge Santos, a propósito da proximidade do Pentecostes, partilhou com os paroquianos e em especial com as crianças uma definição tão simples quanto bela acerca do Espírito Santo: “O Espírito Santo é o Amor de Deus”. Partilhas como esta auxiliam e engrandecem a nossa missão de formação espiritual dos nossos filhos tornando a Catequese Familiar mais consistente. Abordando a Ascensão do Senhor ficavam no mais íntimo as palavras de Jesus aos discípulos: “Eu estou sempre convosco até ao fim dos tempos”. Antes da Oração do Credo o Sr. Padre Jorge Santos perguntava o que significava “Creio”. Este crer, mais do que uma crença de natureza psicológica, é na sua essência o Confiar de todo o coração em Deus.

O princípio elementar e edificador Confiar de todo o coração interceptaria com a proposta da catequista Margarida que nos convidou a realizar o Itinerário Jubilar. Na primeira etapa reencontrávamo-nos com a Oração do Credo no Pórtico do Centenário. Passávamos depois à segunda etapa na Capelinha das Aparições  e à terceira para a Oração pelo Papa junto ao Túmulo dos Pastorinhos. O Itinerário Jubilar culminava com a Oração pela Paz  na Capela do Santíssimo Sacramento. Tal como Nossa Senhora conduzira os Pastorinhos à Oração pela Paz, também nós, cem anos depois, colocávamos Deus no centro das nossas vidas e rezávamos pela Paz entre os povos e por um mundo mais fraterno.

No final da tarde, rezámos, juntos, o Terço e concluímos a peregrinação com um filme infantil alusivo às Aparições de Nossa Senhora do Rosário.

Este testemunho termina com um agradecimento renovado ao Sr. Padre Jorge Santos e às catequistas pelo empenho inesgotável e confiança que depositam em nós pais na formação cristã da nossa filha.

Ana Luísa Viana Andrade Tomaz

Marta Soares Viana

Albano Andrade da Silva Tomaz

Deixar uma resposta