Em cada semana, 40h de adoração – Testemunho Paulo Farinha Silva

Em cada semana, 40h de adoração – Testemunho Paulo Farinha Silva

Está para fazer 5 anos que, semana após semana, várias dezenas de pessoas asseguram na paróquia um tempo longo de adoração, das 8h00 de quarta até às 23h00 de quinta-feira. Para além destes irmãos que garantem uma presença contínua diante do Senhor exposto, é muito maior o número daqueles e daquelas que, durante este período que é de graça e que sustenta toda a vida comunitária, se deslocam à nossa Igreja para simplesmente estar diante de Jesus sacramentado e se deixarem amar por Ele.

A fecundidade da vida da Igreja vem da oração, da vida em Cristo. Por isso damos na nossa comunidade paroquial tanta importância a este período de graça, para ajudar os cristãos a viverem na união com o Senhor e para que todas as actividades apostólicas da paróquia sejam fruto da graça divina.

Deixamos o testemunho de um dos adoradores:

Embora já há vários anos seja “utilizador” da adoração nesta paróquia, e até com fidelidade semanal, nunca me comprometi, até este ano, com um horário específico.

Aqui há uns anos tinha um escritório nas imediações da paróquia e, também tendo em conta que procuro tirar no meu dia um tempo de oração pessoal, sempre que havia adoração em S. João Baptista, fazia uma pausa a meio da tarde e deslocava-me à Igreja para um tempo de adoração. Depois, durante um período durante o qual trabalhava frequentemente fora do país, sempre que estava em Coimbra procurava durante a noite tirar um longo tempo de adoração e intimidade com o Senhor: o facto de ser durante a noite, de a cidade estar em silêncio e de a Igreja ser climatizada, ajudou a que recorde com bastante carinho esses períodos em que, muitas vezes, pouco mais fazia que estar ali, em silêncio, diante da presença real de Jesus na Eucaristia.

Assim, quando este ano a responsável pela escala dos adoradores me convidou em Setembro para assegurar com outra pessoa o horário das 4h00 às 6h00, disse logo que sim. E estou muito feliz por o ter feito, ainda que poucas semanas depois tenha ficado colocado numa escola em Águeda e deixei de poder compensar o sono perdido durante a manhã de quinta e à quarta dificilmente me consigo deitar antes da meia noite: fisicamente é muito exigente… mas é um período de graça, de tal modo que à segunda-feira já conto o tempo que falta para a noite de quarta. E nunca saio antes das sete: fico 3 horas que passam num instante.

Mudou o facto de ter marcado na minha agenda semanal um tempo especial, com o qual me comprometi, para estar diante do Senhor a olhar para Ele e a deixar-me trabalhar pela sua graça e pela sua palavra. Posso testemunhar que o Senhor levou este meu compromisso muito a sério.

Ainda a semana passada estive a olhar para uma aplicação que tenho no telemóvel e na qual vou apontando aquilo que o Senhor me vai dizendo semana após semana e pude comprovar isso mesmo, notando-se um claro fio condutor próprio de uma conversa a dois…

Começo por saudar o Senhor, dizer-Lhe que quero que Ele seja o meu único Deus, que Ele é muito importante para mim, e depois fico em silêncio diante d’Ele durante cerca de meia hora, procurando deixar-me habitar pela Sua presença e silenciando qualquer ruído que me possa afastar d’Ele.

Em seguida, invoco o Espírito Santo e abro a Bíblia e durante perto de uma hora leio, releio, medito, interiorizo a palavra que o Senhor me deu. Dou sempre uma vista de olhos nas notas de rodapé, procurando compreender melhor a leitura.

Sendo que termino sempre com um curto período de intercessão pelas minhas intenções particulares e pelas daqueles que me vão pedindo para rezar por eles ou que eu imagino estarem necessitados da minha oração, no tempo sobrante, de uma hora e picos, procuro rezar a minha vida, os meus dias, as minhas fraquezas e alegrias à luz da palavra de Deus que entretanto tinha meditado.

E assim se passam as 3 horas num instante: até já me aconteceu descuidar-me com o tempo e ter que acelerar para não chegar atrasado às aulas…

Paulo Farinha Silva

Deixar uma resposta