Folha Paroquial nº 47 *Ano I* 14.10.2018 — DOMINGO XXVIII

Folha Paroquial nº 47 *Ano I* 14.10.2018 — DOMINGO XXVIII

«Enchei-nos da vossa misericórdia: será ela a nossa alegria.»

A folha pode ser descarregada aqui.

«Naquele tempo, ia Jesus pôr-Se a caminho, quando um homem se aproximou correndo, ajoelhou diante d’Ele e perguntou-Lhe: «Bom Mestre, que hei-de fazer para alcançar a vida eterna?». Jesus respondeu: «Porque Me chamas bom? Ninguém é bom senão Deus. Tu sabes os mandamentos: ‘Não mates; não cometas adultério; não roubes; não levantes falso testemunho; não cometas fraudes; honra pai e mãe’». O homem disse a Jesus: «Mestre, tudo isso tenho eu cumprido desde a juventude». Jesus olhou para ele com simpatia e respondeu: «Falta-te uma coisa: vai vender o que tens, dá o dinheiro aos pobres e terás um tesouro no Céu. Depois, vem e segue-Me». Ouvindo estas palavras, anuviou-se-lhe o semblante e retirou-se pesaroso, porque era muito rico. Então Jesus, olhando à sua volta, disse aos discípulos: «Como será difícil para os que têm riquezas entrar no reino de Deus!» Os discípulos ficaram admirados com estas palavras. Mas Jesus afirmou-lhes de novo: «Meus filhos, como é difícil entrar no reino de Deus! É mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que um rico entrar no reino de Deus». Eles admiraram-se ainda mais e diziam uns aos outros: «Quem pode então salvar-se?». Fitando neles os olhos, Jesus respondeu: «Aos homens é impossível, mas não a Deus, porque a Deus tudo é possível».»

Hoje as leituras, particularmente o evangelho, tratam uma questão difícil para muita gente; a do dinheiro e do perigo que ele pode ser como usurpador do nosso coração. Nem sempre a conversão a Jesus leva o convertido a ser capaz de se tornar generoso como Zaqueu que depois que Jesus entrou em sua casa e disse: «Senhor, vou dar metade dos meus bens aos pobres e àqueles a quem roubei vou dar quatro vezes mais». Tenho visto pessoas com vida cristã bem regular e com posses acima da média, mas quando se trata em dar dinheiro, têm uma dificuldade enorme e até o reconhecem. O rico do evangelho de hoje, era boa pessoa e Jesus sentiu simpatia por ele mas estava apegado ao dinheiro. Jesus conclui que o apego às riquezas ou ao dinheiro é um dos maiores obstáculos ao seu seguimento e a entrar no Reino de Deus.
Jesus ou dinheiro? Quem será o Senhor? Em Lucas 16,13 quando Jesus afirma: «Não podeis servir a Deus e ao dinheiro», usa palavras de relação como “ódio” e “amor”. A questão essencial colocada por Jesus é a seguinte: Com quem queremos ter relação, com Deus ou com o dinheiro?
Na Bíblia encontramos uma série de ensinamentos acerca de como lidar com o dinheiro. Ter dinheiro não é uma coisa má, mas precisamos de pedir a graça e ajuda de Deus para garantir que ele não se transforme no nosso guia pois a carta a Timóteo diz que «o amor ao dinheiro é a raíz de todos os males». As parábolas e discursos sobre o dinheiro no Novo Testamento são muitos. No entanto, hoje na igreja, fala-se pouco disso porque os cristãos, sobretudo os católicos, sentem-se incomodados com o tema como se fosse tabú. E se algum padre o faz dizem: «está sempre a falar em dinheiro», o que revela bem o incómodo.
Para completar esta reflexão cito Ken Costa, cristão leigo, quadro da bolsa da city de Londres, do seu livro, God at work:.
“A melhor forma de nos exercitarmos na liberdade em relação ao dinheiro é a dádiva alegre e feliz.
Damos por várias razões:
Primeiro, porque o Senhor nos manda ser agradecidos pelos bens e dádivas materiais e espirituais que Ele nos dá
Segundo, damos porque dar é uma bênção. Dar regularmente de uma forma generosa é um dos modos que temos de demonstrar que confiamos em Deus. O dinheiro pode tornar-se um obstáculo ou um aceso às bênçãos de Deus (materiais e espirituais)
Jesus disse: “Há mais alegria em dar do que em receber” ( Act 20,35). Por isso dar deve ser uma das grandes alegrias do discípulo de Jesus. Ele nunca deve dar receoso ou triste porque como também diz a Bíblia, «Deus ama quem dá com alegria.» Quando somos generosos a resposta de Jesus é esta: «Ponham-me à prova e vereis se não vos abro o reservatório do céu e não espalho em vosso favor a bênção em abundância (Malaquias 3,10)
Como se deve dar?
1.Liberdade: Sempre que damos lançamos um desafio às forças do dinheiro dizendo realmente: «Não tens poder sobre mim» Dar é o antídoto do materialismo.
2.Investimento: Dar é uma parte do processo pelo qual nos tornamos mais semelhantes a Cristo. Dar é a nossa forma de semear e os frutos são a nossa justiça (2 Cor 9,10).
3.Como um hábito: Há sempre boas razões para adiar e pôr de lado por isso o importante é começar a dar. Mesmo que se comece por pouco, começa-se e o hábito crescerá porque vamos descobrindo quanto nos faz bem. Jesus disse: «Dai e dar-se- vos- á. A medida que usardes com os outros será usada convosco” (Lc 6,38).
A quem se deve dar? Há muitas pessoas não cristãs que dão para obras sociais e humanitárias e os cristãos estão também entre os primeiros a dar para tudo isto, mas só os cristãos dão para a Igreja. Investir na igreja é uma forma de investir na vida espiritual futura das nações. É importante, porém, construir uma relação com a instituição para quem se dá. Assim podemos saber como o dinheiro está a ser usado e garantir-nos que está a ser bem administrado.

Deixar uma resposta