Porquê adorar?

Porquê adorar?

No dia 4 e 5 de março um missionário da Santíssima Eucaristia estará em S. José numa missão de lançamento da adoração eucarística de uma forma o mais permanente possível. Colocar a adoração eucarística como atividade central é ter como princípio pastoral o primado da graça. Quer dizer que reconhecemos que a Igreja é do Senhor e é d’Ele que esperamos a pesca abundante para não corrermos o risco de «pescar toda a noite e não apanharmos nada” segundo a expressão de S. Pedro.

O magistério da Igreja tem pedido muito esta adoração nas paróquias. Porquê adorar?

O que diz o magistério da Igreja:

  1. Um doce dever : «É para nós um doce dever honrar e adorar na hóstia sagrada, que os nossos olhos veem, o Verbo incarnado que eles não podem ver e que, sem deixar o céu, tornou-se presente diante de nós…» (Profissão de fé católica Paulo VI, 1968). Adorar, é responder ao primeiro mandamento : « Só ao Senhor teu Deus adorarás, só a Ele prestarás culto » (Mt4, 10)
  2. Fazer a experiência da ternura de Deus «É bom estar com Ele e, inclinados sobre o seu peito como o discípulo amado, ser tocados pelo amor infinito do seu coração…» (Ecclesia de Eucharistia”, João Paulo II, 2003)
  3. Tornar-se evangelizador «Para evangelizar o mundo, é preciso apóstolos “peritos em celebração, em adoração e em contemplação da Eucaristia…» (Missão e Eucaristia, João Paulo II, 2004)
  4. Um eminente serviço à humanidade «Pela adoração, o cristão contribui misteriosamente na transformação radical do mundo. Toda a pessoa que ora ao salvador eucarístico leva consigo o mundo inteiro e eleva-o a Deus. Aqueles que se põem diante do Senhor realizam pois um enorme serviço…» (João Paulo II carta a Mons.Houssiau, Junho 1969)
  5. Reparar as grandes faltas do mundo «A Igreja e o mundo têm uma grande necessidade do culto eucarístico. Jesus nos espera neste sacramento de amor. Não regateemos o nosso tempo para ir estar com Ele na adoração, na contemplação cheia de fé e decidido a reparar as grandes faltas do mundo. Que a nossa adoração não cesse nunca…» (Dominicae Cenae », João Paulo II, 1980)
  6. Prolongar a Missa : O acto de adoração fora da missa prolonga e intensifica o que foi realizado durante a própria celebração litúrgica. De facto só na adoração eucarística pode amadurecer um acolhimento profundo e verdadeiro. E é por este acto pessoal de encontro com o Senhor que amadurece em seguida a missão social que está contida na Eucaristia e que pode quebrar as barreiras não somente entre o Senhor e nós, mas também as barreiras que nos separam uns dos outros… ( Bento XVI, Sacramentum Caritatis, 2007)
  7. Melhor remédio contra as idolatrias: ” Adorar o Deus de Jesus Cristo, que se fez pão partido por amor, é o remédio mais válido e radical contra as idolatrias de ontem e de hoje. Ajoelhar-se diante da Eucaristia é uma profissão de liberdade : Aquele que se inclina diante de Jesus não pode, e não deve, prostrar-se diante de nenhum poder terrestre, por mais forte que seja. Nós, cristãos, só nos ajoelhamos diante de Deus, diante do Santíssimo Sacramento, porque n’Ele nós sabemos e cremos que está presente o Deus verdadeiro, que criou o mundo e que o amou tanto ao ponto de lhe dar o seu Filho unigénito ( Cf Jo3,16)…” ( Bento XVI, homilia na Festa do Corpo de Deus, 2008).

Deixar uma resposta