Arquivo da categoria Células Paroquiais de Evangelização

Festa das Células Paroquiais de Evangelização

Foi no passado sábado, dia 15/12/2018 que aconteceu o Encontro de Natal das Células Paroquiais de Evangelização da Paróquia de S. João Baptista.

Cerca das 14.30h começaram, pouco a pouco, a juntar-se na Igreja os vários elementos das sete Células de Evangelização, dando início ao ensaio da encenação do Presépio, nascimento de Jesus, que mais tarde iriam representar.

Cerca das 15.30h o Sr. Padre Jorge deu início ao louvor onde todos participámos com cânticos e orações de louvor, tendo ainda a grande bênção de se rezar individualmente por cada um dos elementos presentes. Seguiu-se então a representação do nascimento do Menino Jesus na humilde gruta de Belém, tendo um Anjo anunciado aos pastores que ali perto pernoitavam, o nascimento do Menino, tendo-se estes apressado para o ir adorar. Aos pastores seguiram-se os três Reis Magos que, vindos do Oriente vieram adorar o Rei dos Reis e o presentearam com ouro, incenso e mirra (de realçar o facto de termos um Menino Jesus – um bebé real, de carne e osso e que tão bem se portou).

Terminada esta encenação, feita por alguns elementos das diversas Células de Evangelização, houve ainda tempo para um espaço de partilha pelos elementos dos grupos de trabalho que oportunamente se constituíram e seguiu-se a Celebração Eucaristia, animada pelos elementos das Células, mas dirigida a toda a Paróquia.

E já que a representação do nascimento do Menino Jesus na humilde gruta de Belém, foi tão bem sucedida, decidiu-se fazer um nova representação, para toda a Comunidade no final da Eucaristia, tendo sido do agrado de todos, sem excepção.

E para terminar em beleza este nosso Encontro de Natal, não pôde faltar o tradicional lanche partilhado, onde todos tão generosamente contribuíram para termos uma mesa recheada de inúmeros doces e salgadinhos, bem regados com diversas bebidas, onde a maioria dos participantes permaneceram mesmo até ao início do concerto do Coimbra Gospel Choir, que teve o seu início às 21.30h.

Jorge Pires

 

O encontro de Natal das Células Paróquias de Evangelização foi rico nas suas diversas dinâmicas,

1. Louvamos a Deus como sempre nas nossas reuniões, agradecemos mais este advento, agradecemos mais esta luz, as presenças daqueles que por este motivo ou aquele estiveram ausentes, agradecemos o dom da fé, agradecemos cada um no seu coração as nossas enumeras graças, pequenas e grandes e que nas quais reconhecemos a presença de Deus nas nossas vidas

2. Partilhamos entre grupos o que de bom temos vivido em célula, como temos crescido em proximidade a Cristo, o que temos crescido na relação com os nossos irmãos, o que o serviço tem feito em nós (mais do que nos outros). Partilhamos também as nossas dúvidas, fraquezas e frustrações na vivência de célula. Sim, também partilhamos o menos bom… o apoio encontra-se na fragilidade, e não na fortaleza…

3. Servimos, uns aos outros na preparação do nosso pequeno teatro, servimos uns aos outros no lanche partilhado, servimos a Cristo na nossa entrega ao escolhermos passar a tarde na reunião e não noutras festas de Natal porventura mais apetecíveis ou outros compromissos Natalícios, servimos a paróquia neste crescimento em comunidade e em fraternidade.

4. Evangelizamos, os nossos filhos, os nossos pais e amigos na partilha do nosso teatro, na partilha de estarmos ocupados num sábado à tarde nas vésperas do Natal. Evangelizamos aqueles que no final da missa ficaram para ver os nossos 5 min. de teatro, mostramos como é bom fazer parte destas células, como nos sentimos em casa uns com os outros, como nos apoiamos mesmo nas brincadeiras de Natal, evangelizamos na emoção com que vimos um menino Jesus sereno, a dormir nas palhinhas e que acordou feliz no final da “Noite Feliz” como se envolto no Espírito Santo.

5. Quase falhamos a formação Cristã, mas ainda assim não o fizemos. Acreditamos e confiamos ao Senhor um teatro sem ensaios, personagens sem guarda roupa, pontos quase sem textos, e a segurança de actuar perante uma plateia, e mais uma vez como sempre, o nosso Pai nos ensinou que quem a Deus pede nada lhe falta! Pedimos (sim, pelo menos eu pedi!) que este encontro de Natal fosse diferente, renovado na dinâmica e alegre na interação entre elementos de diferentes células e Ele, como sempre, providenciou! Relembramos o que tantas vezes ouvimos e aprendemos (e até ensinamos), a Deus nada é impossível, e a Ele tudo podemos entregar, pois o Pai dos filhos cuida.

Hoje e sempre neste Natal!

Francisca Eiriz

Convívio de Natal das Células Paroquiais de Evangelização

As células de Evangelização são uma Visão Pastoral para o crescimento dos cristãos, pelo seu enraizamento em Cristo, e para o crescimento do Corpo de Cristo que é a Igreja contribuindo para que esta cresça e se multiplique em pequenos grupos que se reúnem nas casas dos cristãos, sempre bem ancorados na paróquia, e que pelo efeito da evangelização dos membros vão crescendo e multiplicando-se, surgindo continuamente novos grupos que por sua vez são chamados a crescer e multiplicar-se.

Esta semana pedimos à Regina Rodrigues e à Célia Canadas, que por coincidência pertencem à mesma célula, que partilhassem connosco o que é caminhar neste ambiente:

Fazer parte de uma célula de evangelização, foi ao início um desafio, que se veio a revelar numa imensa gratificação.

O momento de partilha, oração e aprendizagem transformam-nos semana a semana, encontro a encontro, no sentido de nos encontrarmos a nós próprios, com os outros e, sobretudo, com Deus, que é Pai.

O tempo que partilhamos cria em nós, membros da célula, uma amizade e cumplicidade, que vai crescendo ao longo do tempo, e, neste momento, sinto como que se todos fizéssemos parte de uma família, em imensa fraternidade.

Também na minha família os hábitos foram mudando e a oração ganhou espaço no dia-a-dia de todos, o diálogo é também possível e a união e o amor foram alcançados.

Agradeço em primeiro lugar a Deus este chamamento, e a todos os membros da célula de envangelização São José o caminho que me tem ajudado e percorrer, no sentido de alcançar a vida eterna, através de Jesus Cristo que é a nossa meta.

Regina Rodrigues

 

A minha entrada nas Células de Evangelização aconteceu por uma vontade imensa de aprender mais sobre o grande de amor de Jesus por todos nós. O Seu testemunho de vida, os Seus ensinamentos, a Sua bondade, a Sua obediência ao Pai, e a Sua enorme e transcendente capacidade de amor e perdão tocaram-me de tal forma, que despertaram em mim uma vontade enorme de O seguir. Não seria possível para mim, sozinha, ter chegado a este patamar de consciência sem ter frequentado o curso Alpha, na Igreja S. João Baptista, em Coimbra.

As Células de Evangelização são um prolongamento desta minha caminhada. Tudo o que aprendi anteriormente deu-me bases para poder entender e aceitar os novos ensinamentos e práticas neste novo percurso. Penso que mais importante do que assimilar toda a teoria, é gratificante verificar a vontade que todos os elementos da célula têm de por em prática o que se aprende. Nestes 2 anos, de encontros semanais, verifiquei uma conversão de vida em muitos de nós. Manifesta muitas vezes interiormente, mas que transborda para fora, provocando mudanças de hábitos, atitudes, e sobretudo no desejo falar de Jesus a todos. Mudanças essas que têm um grande impacto, diria muito positivo, na vida de quem nos rodeia: nos nossos filhos, pais, amigos, familiares e colegas de trabalho.

Os grandes frutos, ou bençãos, da minha presença neste grupo de evangelização são a reconstrução da minha identidade. Enquanto pessoa, mãe, cristã e católica. Reconheçendo agora a grande importância dos sacramentos católicos, (saliento a reconciliação/confissão, a Eucaristia, a Comunhão, o Baptismo, e o Crisma) sinto um apelo interior de os praticar com uma grande frequência.  Como católica, quero estar mais envolvida nesta comunidade, o que vai para além da ida à missa no Domingo. Tenho uma enorme vontade de evangelizar, de estar disponível para o próximo, de partilhar as graças de Deus na minha vida, e mostrar a todos que Ele está sempre presente, em todos os momentos da minha vida.

Não poderia acabar este pequeno e breve testemunho sem salientar a importância da amizade entre os irmãos que fazem parte da minha célula, que cresce em cada encontro. Não consigo traduzir em palavras o carinho e respeito que tenho por cada um. Quando um está bem, todos estamos bem. Quando alguém tem problemas, rezamos uns pelos outros, e verificamos, efetivamente, que a oração chega ao Pai e é atendida.

Que bom seria que todos os católicos pudessem experimentar a alegria que sentimos nas nossas reuniões, onde os nossos corações se unem para louvar Deus e cantar cânticos de graças.

Célia Canadas

Eles apoiam-se para evangelizar (Células)

Na revista francesa Família Cristã saiu um artigo sobre as Células Paroquiais de Evangelização com um título muito sugestivo: “Eles apoiam-se mutuamente para evangelizar”. E continuava: “As Células Paroquiais de Evangelização são uma boa forma de dinamizar a ação missionária dos leigos e de irrigar as paróquias em profundidade…”

O artigo de duas páginas pode ser lido aqui (pág 1) e aqui (pág 2).

 

Apresentação das Células Paroquiais de Evangelização – 29 Out 2017

Está previsto para este dia um evento de apresentação das Células Paroquiais de Evangelização à Paróquia: será durante a Missa das 10h45

A Festa de Encerramento, em Julho, foi assim:

Festa de encerramento das atividades das células paroquiais de evangelização

No próximo domingo, dia 16 de Julho, irá decorrer aqui na paróquia a festa de encerramento das atividades das células paroquiais de evangelização, com o seguinte programa: 
 
11h – Missa conjunta na igreja
 
12h30 – Oração de Louvor
 
13h – Almoço partilhado
 
14h30 – Apresentações das CPE 
 
15h30 – Concurso e Jogos
 
17h – Adoração Eucaristica
 
17h30 – Lanche de encerramento
 

2º Forum Nacional de Células Paroquiais de Evangelização

Venha ao Forum Nacional das células paroquias de evangelização promovido pela paróquia de S. João Baptista de Coimbra, em conjunto com Santa Clara. Pode inscrever-se através do site do Alpha portugal em www.alphaportugal.org ou também aqui neste site da paróquia.
 
“A paróquia não é uma estrutura caduca; precisamente porque possui uma grande plasticidade, pode assumir formas muito diferentes que requerem a docilidade e a criatividade missionária do Pastor e da comunidade.” .
Se for capaz de se reformar e adaptar constantemente, continuará a ser « a própria Igreja que vive no meio das casas dos seus filhos e filhas”. Através de todas as suas atividades, a paróquia incentiva e forma os seus membros para serem agentes da evangelização. (EG, do papa Francisco)
 
As Células paroquias de evangelização, são um meio fantástico para realizar tudo isto. Elas tornam a Igreja próxima, familiar, ganham dinamismo evangelizador, crescem na fé e no sentido de pertença eclesial. À medida que o número de células vai crescendo, a comunidade paroquial vai amadurecendo na fé, vão surgindo cada vez mais pessoas dispostas a servir a igreja, a vida espiritual e sacramental da paróquia aprofunda-se e esta vai passando de uma paróquia em hibernação a uma comunidade missionária. Ousemos uma paróquia Missionária.
 
Venha ao Forum Nacional das células paroquias de evangelização promovido pela paróquia de S. João Baptista de Coimbra, em conjunto com Santa Clara. Pode inscrever-se através do site do Alpha portugal em www.alphaportugal.org

Fórum de Coordenadores Nacionais das Células de Evangelização – Milão

Estive em Milão, em Novembro, a participar no Fórum de Coordenadores Nacionais das Células de Evangelização. Foi uma bela experiência ver como o evangelho cresce e ilumina a vida de tanta gente.

Eu creio que o sistema das Células Paroquiais de Evangelização são uma grande via do futuro da igreja. Já o grande teólogo Karl Rahner, num livro que escreveu em 1973, dizia: «A Igreja existirá somente renovando-se através da livre decisão de fé e da formação comunitária do indivíduo no meio de uma sociedade secular não mergulhada no cristianismo». Ele referia-se às comunidades base, mas trata-se do mesmo fenómeno de pequenas comunidades que vivem a fé de uma forma dinâmica e capilar, transformando a sociedade pelo seu testemunho. O Documento de Aparecida no Brasil faz esta escolha para o futuro e parte da experiência já muito avançada na América latina. Pequenos grupos que vivam a fé e a testemunhem. É voltar à igreja das origens em que os cristãos se reuniam nas casas uns dos outros para viver e partilhar a fé, e se encontravam no templo para orar.

Partilho convosco o sonho de uma paróquia toda a viver em pequenas células onde se alimenta da palavra de Deus, da oração e da partilha fraterna, em que cada membro se esforça por evangelizar os que encontra no seu caminho e para servir os seus irmãos. Depois, ao Domingo, todos esses grupos se reúnem juntos para celebrar a Eucaristia. Imaginem a festa que seria o encontro de cristãos que vivem esta realidade!!! E é possível… porque já vemos os primeiros frutos…

Porquê o nome de célula? Porque está inscrita na nossa natureza biológica. Todos começamos por ser uma única célula que se multiplica em milhões e faz crescer todo o corpo. As células começam por ser um primeiro grupo que depois cresce e se multiplica em vários, para o crescimento do corpo eclesial que é a paróquia.

O Papa, em Setembro do ano passado, quis reunir as células de evangelização e, embora não pudessem todos corresponder à chamada, estivemos cerca de 10.000 pessoas e foi uma experiência maravilhosa.

Quando falo de uma paróquia em células, não significa que todos tenham de viver este estilo de grupo que é as células, mas crescer num grupo pequeno; uns chamam-se CVX, outros equipas de casais, outros grupos de Lectio Divina… O que têm de ter em comum é o facto de terem uma dimensão familiar, onde todos possam crescer na intimidade com Deus através da oração, crescer na experiência de comunhão fraterna, aprofundar a fé em grupo, servir e evangelizar.

Rezemos para que a paróquia possa dar este contributo à Igreja Diocesana de rasgar novos caminhos de futuro. Porque somos uma paróquia nova e sem tradições paralisantes, temos o dever de mostrar que é possível a igreja renovar-se e encontrar novas formas e novas estruturas para responder aos desafios do nosso tempo.

Pe Jorge Siva Santos