Arquivo da categoria Células Paroquiais de Evangelização

Formação para Células Paroquiais de Evangelização

18 Jan às 14h30 para os que fazem parte de Células em SJBatista, SJosé ou Santa Clara, ou se quer saber mais sobre esta iniciativa da Nova Evangelização. Será na casa Paroquial (em baixo).

Inscreva-se na secretaria ou por telefone.

SJBaptista termina percurso Alpha

Na passada sexta-feira à noite o Pe Jorge Santos esteve em SJBaptista para jantar e para falar da Igreja, o último tema de uma série de 10 do percurso Alpha, para além daqueles que são próprios do fim de semana.

Segundo a equipa que acompanhou este percurso, há agora 25 pessoas que frequentarão 2 jantares complementares ao percurso e aos quais chamamos de pós-Alpha.

Nestes serões serão apresentadas as Células Paroquiais de Evangelização como forma privilegiada na paróquia de crescimento e maturação na fé.

Retiro de Advento

No passado sábado os irmãos da nossa Unidade Pastoral, em especial os membros das Células Paroquiais de Evangelização, foram convidados para um dia de recoleção com o Pe Marcelino Paulo de Braga.

Terminámos a manhã com um longo tempo de adoração e, depois de termos rezado Laudes no início da manhã, os presentes foram interpelados pelo pregador a encarar o advento como um tempo de desejo. Embora tendamos a encarar o Natal como memorial de um evento passado há cerca de dois milénios, a liturgia encara este acontecimento como presente e, sobretudo, futuro: o dia de Natal como o dia do encontro com Deus, o dia em que finalmente iremos ver Deus face a face, abraçá-Lo ou deixarmo-nos abraçar por Ele. De tal modo que os primeiros cristãos encaravam o momento da morte como o seu Natal, o seu dia de Natal.

Sendo o advento um tempo de desejo e de fomento do desejo, e acertando que a principal missão do Cristão é a de manter viva a chama do desejo, fomos convidados a encarar este momento litúrgico como um tempo de espera e de vigia, de desejo daquele que pressentimos, mas que ainda não podemos tocar, Deus encarnado.

Grupo de peregrinos foi a Roma e foi recebido pelo Papa Francisco com as Células Paroquiais de Evangelização

2 grupos da nossa Unidade Pastoral estiveram em Roma para se encontrarem com o Papa Francisco que na passada segunda-feira de manhã, dia 18, recebeu as Células Paroquiais de Evangelização onde muitos irmãos das nossas paróquias caminham.

O primeiro grupo saiu na madrugada de sexta com o Pe Jorge Santos e o segundo, que saiu na madrugada de sábado, viria a contar com o acompanhamento do Pe Pedro Santos que lá está a estudar.

Claro que aproveitaram para visitar Roma e o Vaticano e, pelo que fomos acompanhando pelas redes sociais, gostaram bastante e muitos garantem que querem voltar em breve. No entanto, a verdade é que o que motivava a maioria era o encontro com o Papa na manhã de segunda, durante a sua segunda receção das Células às quais muitos pertencem.

“Quando o encontro é fruto do amor cristão, muda a vida porque chega ao coração das pessoas e toca-as profundamente. Que o vosso anúncio possa tornar-se num testemunho de misericórdia, que deixe evidente que toda a atenção dada a um dos pequeninos é dada ao próprio Jesus que neles se identifica”, disse o Papa ao encontrar-se na Sala Paulo VI com cerca de 6 mil membros das Células Paroquiais de Evangelização.

Agora – disse o Pontífice no início de seu discurso – padre Piergiorgio Perini, presidente deste organismo internacional, “pode admirar alguns frutos que o Senhor lhe concedeu com sua graça”, pela “incansável obra de evangelização”. O Papa congratulou-se pelos seus 65 anos de sacerdócio e pelos 90 anos de vida: “Pedi a ele a receita: o que fazer para ser assim?”, disse.

Quando se encontra o Senhor e se é conquistado por seu Evangelho – reiterou o Papa Francisco – não se pode fugir ao seu apelo a “produzir frutos e que vosso fruto permaneça”. “Certo – observou – Jesus não disse aos discípulos que veriam os frutos de seu trabalho”, apenas assegurou que “os frutos permaneceriam”, “uma promessa que vale também para nós: “É humano pensar que, depois de tanto trabalho, também se deseje ver o fruto do nosso compromisso; no entanto, o Evangelho leva-nos para outra direção”.

De fato, aos seus discípulos, Jesus falou da exigência da radicalidade em segui-lo, como escrito em São Lucas: “Assim também vós, depois de terdes feito tudo o que vos foi ordenado, dizei: Somos servos como quaisquer outros; fizemos o que devíamos fazer”. Mas “se nosso esforço em anunciar o Evangelho é total e nos encontra sempre prontos, então a perspetiva muda”: “Tantas vezes tocamos com a mão quão grande e infinito é o amor de Deus por nós! Se formos fiéis e vigilantes, Ele nos concede de ver também os frutos do nosso trabalho.”

E é justamente neste contexto que está inscrita a história das “Células Paroquiais de Evangelização”, presentes em tantas partes do mundo, recordou o Papa, que exorta:
“Nunca se cansem de seguir os caminhos que o Espírito do Senhor Ressuscitado coloca diante de vós. Que nenhum medo do novo vos detenha e nem diminuam vosso passo as inevitáveis dificuldades no caminho da evangelização. Quando se é um discípulo missionário, nunca pode faltar o entusiasmo!”

“Que no cansaço vos sustente a oração dirigida ao Espírito Santo que é o Consolador; na fraqueza, sintam a força da comunidade que nunca permite que fiquem abandonados à própria sorte. ”
O Santo Padre recordou, por outro lado, que as tantas iniciativas em nossas paróquias, muitas vezes “não incidem em profundidade na vida das pessoas”. Também neste sentido, a missão confiada às Células Paroquiais de “reavivar a vida das nossas comunidades paroquiais”.

Infelizmente, por diversas razões, “muitos se afastam das nossas paróquias”, o que torna urgente que “recuperemos a exigência do encontro para alcançar as pessoas onde vivem e atuam”: “Se encontramos Cristo em nossas vidas, então não podemos simplesmente guardá-lo somente para nós. É crucial que compartilhemos essa experiência também com os outros; esse é o caminho principal da evangelização.”

“Não se esqueçam, disse o Papa, cada vez que encontrarem alguém, joga-se uma história verdadeira que pode mudar a vida de uma pessoa. E isto não é fazer proselitismo, é dar testemunho”, recordando que foi assim quando Jesus viu Pedro, André, Tiago e João na beira do lago, “fixou o olhar sobre eles e transformou suas vidas”: “O mesmo se repete também em nossos dias. Quando o encontro é fruto do amor cristão, muda a vida porque chega ao coração das pessoas e as toca profundamente. Que vosso anúncio possa tornar-se um testemunho de misericórdia, que deixe evidente que toda a atenção dada a um dos pequeninos é dada ao próprio Jesus que neles se identifica”.

Texto adaptado do site do Vaticano

PEREGRINAÇÃO A ROMA

Foram cem pessoas das nossas paróquias que estiveram com o Papa. E desta vez quase todos o puderem não só ver de perto, como cumprimentá-lo ou tocar-lhe.

Ele dirigiu-se às células paroquiais de evangelização que já existem em S. João Baptista e S. José.

Mas a peregrinação foi muito mais do que o encontro com o Papa, que já de si foi muito importante.

Pudemos rezar juntos no túmulo de S. Pedro e proclamar a fé que Ele com os outros apóstolos nos transmitiram.

Novas células de evangelização

 

Já tínhamos células mistas e células só de casais .  Agora reúnem à sexta feira duas células de jovens; uma, reúne numa casa de família na Quinta da Portela, e outra, o grupo de jovens, que passa a viver a dinâmica da célula sem deixar de ser o grupo de jovens, reúne por agora numa das salas da igreja.

Há ainda uma outra formada pelos pais do 7º ano da catequese que querem continuar a reunir-se no dia em que os filhos têm catequese. Já lhe apanharam o ritmo.

Já são mais de cem pessoas as que se reúnem semanalmente em célula.

Bendito seja Deus.

Células Paroquiais de Evangelização

No ano passado fui convidada a fazer o primeiro Curso Alpha na paróquia de S. José, e ao aceitar este convite foi-me dada uma nova oportunidade, um novo começo… Quando cheguei ao final do Curso, surgiu um novo convite, e como a “sede” que sentia era constante e persistente, aceitei. Mais uns passinhos dados, que me levaram novamente a um novo convite, a ida a Milão, ao 30º Congresso Internacional de Células Paroquiais de Evangelização.

Embora as expectativas fossem muito elevadas, o que vivenciei em Milão superou qualquer expetativa que levava no meu coração.

Esta experiência começou por ser surpreendente, pois, de uma forma muito inesperada e intensa, a união e o amor fraterno que começou a nascer entre os elementos da comitiva de Portugal, o Sr Padre Jorge (sempre imprevisível, curioso, atento e surpreendente) e nove leigos que mal se conheciam, alguns dos quais nem nunca se tinham visto, foi extraordinário.

Durante o congresso, os ensinamentos e partilhas levaram-nos, através do Espírito Santo, a momentos muito intensos, algumas vezes em êxtase, outras vezes em sofrimento profundo, mas sempre amparados pelo amor fraterno que nos unia, e que nos permitiu ter força e coragem para reconhecer e aceitar as nossas feridas e fraquezas que tantas vezes nos impediam e impedem de aceitar verdadeiramente a nossa missão.

O Amor do Pai tocou-nos de uma forma tão especial, que embora o elemento mais novo da comitiva tivesse 38 anos (sim, não éramos a comitiva mais jovem!!!), fomos convidados pela comitiva da Irlanda para irmos ao seu país partilhar a nossa Alegria, para que as igrejas da Irlanda voltem a ter jovens e crianças….

Durante estes 4 dias, a experiência foi de tal forma intensa para alguns de nós, que houve um momento em que a Ana Dioniz nos teve de acalmar dizendo “Sintam essa chama, esse calor, mas não se deixem queimar por ela, aprendam a doseá-la!! Sintam essa Chama no silêncio”.

E para terminar, o que deveriam ser umas breves palavras, vou partilhar o principal ensinamento que trouxe de Milão, que foi muito simples, como sempre acontece nas palavras e ensinamentos de Jesus, “o Amor do Pai transforma-se dentro do nosso coração e transborda em Alegria e Amor ao próximo”.

Por muito dilacerado, maltratado, dorido ou acorrentado que esteja o nosso coração, basta aceitar, aceitar verdadeiramente o Amor do Pai, para que a nossa face se transforme, deixe de estar triste e cinzenta para passar a espelhar a Alegria que resulta do reconhecimento de que o Pai nos ama verdadeiramente, sem condições, sem criticas e sem objeções.

Percebi que como Cristã, a minha missão é evangelizar, mas evangelizar através da doação de Amor e Alegria. Pois de que outro modo as minhas palavras e ações poderiam tocar no coração do irmão, se não sentisse e demonstrasse que o meu coração transborda de Amor e Alegria?

Aprendi e percebi a importância do crescimento e multiplicação das Células de Evangelização, mas aprendi principalmente que sem o Amor e a Alegria com que o Espírito Santo nos preenche, nunca seria possível evangelizar de forma plena, pois só o Amor e a Alegria da Palavra do Senhor toca o coração do próximo…

O “Amor não pode ser apenas um projeto, o Amor tem que ser um movimento”.

Adriana Macedo

Congresso das Células Paroquiais de Evangelização em Milão

Um grupo de irmãos da nossa Unidade Pastoral esteve em Milão onde participou no 30º Congresso Internacional das Células Paroquiais de Evangelização de 14 a 16 de Junho.

O grande objetivo das Células é evangelizar. Como? Formando discípulos missionários capazes de animar o grande gigante que é a paróquia e que muitas vezes está adormecida. É que, a partir do momento em que nos sentimos discípulos missionários, sentimo-nos capazes de anunciar Jesus ressuscitado à nossa volta numa obra que não é nossa mas que quer precisar da nossa contribuição: a vinha é do Senhor e nós somos chamados a colaborar.

“Quem põe a mão no arado e olha para trás, não está apto para o Reino de Deus.” (Lc 9,62) Somos chamados a pôr as mãos ao arado, isto é, a tomarmos a iniciativa, e deixarmo-nos conduzir pela graça de Deus que nos anima continuamente com o Espírito Santo.

No sábado fizemos lá uma experiência de reunião em Célula, semelhante ao que fazemos cá, nas nossas paróquias.

Por um lado, sentimo-nos confirmados na medida em que intuímos que estamos cá como lá a ser fiéis a esta corrente de graça com a qual o Espírito Santo quer hoje animar a Igreja de Cristo; por outro, foi muito bonita esta experiência de Igreja Universal na qual milhares de pequenos grupos organizados em Células Paroquiais de Evangelização e espalhados pelo mundo inteiro vivem o mesmo apelo de se deixarem animar pelo Espírito de Deus na missão de renovação contínua da sua Igreja.

Paulo Farinha e Margarida Figueiredo

PROPOSTA DAS CÉLULAS NO PÓS-ALPHA

Como é habitual, sempre que terminamos um perCurso Alpha propomos aos participantes que integrem uma Célula Paroquial de Evangelização.

Desta a vez, para além dos participantes do Alpha que aceitaram o desafio, estiveram também os elementos do Grupo de Jovens, que na foto ocupam o primeiro plano.

Eles publicaram no Facebook:
Ontem o nosso grupo de jovens esteve reunido, na última sessão do Alpha adultos, para experimentar uma dinâmica de célula. Foi muito divertido ?

 

Visita Pastoral – Célula Paroquial de Evangelização

No âmbito da Visita Pastoral, o nosso bispo e o Pe Jorge participaram numa sessão das Células Paroquiais de Evangelização: