Arquivo da categoria Unidade Pastoral

Festas de S. João na Quinta da Portela

Apesar de bastante recente, são cada vez mais uma referência na nossa cidade os festejos em honra de S. João Baptista organizados pela nossa paróquia.

Para a comunidade paroquial, trata-se de um acontecimento estruturante: a terminar o ano pastoral, cerca de 200 voluntários organizam-se para receberem o melhor que podem e sabem quem nestas duas noites nos quiser visitar para confraternizar à volta de umas sardinhas, febras, etc.


É fantástico e uma graça que em muito nos ultrapassa o ambiente vivido entre as centenas de voluntários que querem vir servir durante estes dois dias.

Encontrei várias pessoas que não conhecia de lado nenhum (e que portanto não frequentam de todo a vida paroquial nos seus diversos grupos) e que aparecem por estes dias porque ouviram falar do ambiente que por lá se experimenta.

Ouvi das senhoras da cozinha que lá tinha aparecido uma senhora a pedir se podia integrar-se e com elas descascar batatas, cortar cebola e couve, etc: no fim, comovida, agradeceu a oportunidade fraterna que lhe tinha sido oferecida.

E quem nos visita testemunha isso mesmo: a sardinha pode ser melhor ou pior, mais seca ou mais gorda, mas sentem-se muito bem acolhidos. Sentem bem que há uma comunidade por detrás e questionam-se sobro o que a suportará.

Para o ano há mais!

SANTO ANTÓNIO NA PORTELA DO MONDEGO – 13 de junho

Porque a capela da Portela do Mondego é dedicada a Santo António, hoje abriu portas aos devotos e celebrou ali Eucaristia em sua honra o Frei Luis, Franciscano que com carinho referiu que Santo António, seguidor de S. Francisco de Assis é com este padroeiro da ordem e também segundo padroeiro de Portugal.

Foi um homem culto, grande orador, conhecedor da natureza e servidor dos pobres.

Assim, hoje somos chamados a seguir o seu exemplo:
Como ele somos chamados a ser o Sal da terra – o sal que dá sabor aos alimentos mas que os preserva da corrupção, o cristão deve preservar-se do que é mal.
E como ele somos chamados a ser Luz para o mundo, exemplo de santidade e piedade que vale a pena seguir; Luz que ilumina sem ofuscar mas que leva a Cristo.

No final o padre Ivan, que ali celebra habitualmente, segundo rito ortodoxo, com a sua comunidade, deu uma palavra de apreço a Santo António e de acolhimento aos presentes e agradeceu o acolhimento que teve do Sr. Bispo D. Virgílio e o Pe. Jorge que permitiram o uso da capela; referiu que ninguém tivesse medo que pudessem destruir ou maltratar os santos que a capela tem ou Nossa Senhora de quem os ortodoxos são devotos, pois nada disso: eles trazem é mais santos e respeitam os que estão.

Referiu ter querido estar ali para com a comunidade católica celebrar e festejar Santo António.

Festa do compromisso para os adolescentes XD do 9º ano da catequese

Os 8 adolescentes que ao longo deste ano caminharam na fé com a catequista Madalena Sousa comprometeram-se na quinta-feira, dia da solenidade do Corpo de Deus, diante de toda a comunidade paroquial, a envolverem-se na missão da Igreja Universal, concretamente na nossa comunidade paroquial.

Para o ano que vem ir-se-ão preparar para receber o sacramento do Crisma: rezemos por eles.

Noite de louvor – Concerto em oração

A comunidade paroquial da igreja de S. João Baptista acolheu na sexta-feira dia 21, a partir das 21h30, uma noite de louvor liderada pelo grupo de louvor do Alpha Portugal. Trata-se de um estilo de música cristã contemporâneo que está a fazer furor um pouco por toda a Europa e Américas, sobretudo entre os jovens, chamado hillsong, que surgiu de uma igreja com o mesmo nome em Sydney, na Austrália.

Desta vez foi em S. João Baptista: para o ano estamos a preparar uma série de concertos com este mesmo grupo em S. José, quando as obras do salão estiverem terminadas.

Foi muito bom: no centro estava uma cruz iluminada à volta da qual estavam dispostos os músicos e, atrás deles, os participantes que acorreram em grande número, com uma elevadíssima percentagem de jovens.

Houve quem tenha sabido do concerto pelas redes sociais e tenha percorrido centenas de quilómetros para nele participar e houve quem tenha contado 138 pessoas.

As letras das músicas foram projetadas em duas paredes para possibilitar que todos pudessem cantar e, no intervalo das canções havia muito quem fizesse orações espontâneas. Invocámos o Espírito Santo, louvámos o Senhor e até rezámos por quem precisasse.

Em Setembro há mais e em breve será conhecida a data.

Congresso das Células Paroquiais de Evangelização em Milão

Um grupo de irmãos da nossa Unidade Pastoral esteve em Milão onde participou no 30º Congresso Internacional das Células Paroquiais de Evangelização de 14 a 16 de Junho.

O grande objetivo das Células é evangelizar. Como? Formando discípulos missionários capazes de animar o grande gigante que é a paróquia e que muitas vezes está adormecida. É que, a partir do momento em que nos sentimos discípulos missionários, sentimo-nos capazes de anunciar Jesus ressuscitado à nossa volta numa obra que não é nossa mas que quer precisar da nossa contribuição: a vinha é do Senhor e nós somos chamados a colaborar.

“Quem põe a mão no arado e olha para trás, não está apto para o Reino de Deus.” (Lc 9,62) Somos chamados a pôr as mãos ao arado, isto é, a tomarmos a iniciativa, e deixarmo-nos conduzir pela graça de Deus que nos anima continuamente com o Espírito Santo.

No sábado fizemos lá uma experiência de reunião em Célula, semelhante ao que fazemos cá, nas nossas paróquias.

Por um lado, sentimo-nos confirmados na medida em que intuímos que estamos cá como lá a ser fiéis a esta corrente de graça com a qual o Espírito Santo quer hoje animar a Igreja de Cristo; por outro, foi muito bonita esta experiência de Igreja Universal na qual milhares de pequenos grupos organizados em Células Paroquiais de Evangelização e espalhados pelo mundo inteiro vivem o mesmo apelo de se deixarem animar pelo Espírito de Deus na missão de renovação contínua da sua Igreja.

Paulo Farinha e Margarida Figueiredo

GRUPO DE JOVENS COOPERA COM BANCO ALIMENTAR

O Grupo de Jovens participou nesta iniciativa social:
O grupo de jovens reuniu-se no armazém do Banco Alimentar para ajudar a organizar toda a comida!

Foi incrível.

De coração cheio❤️ Continuem a contribuir para esta causa.

PROPOSTA DAS CÉLULAS NO PÓS-ALPHA

Como é habitual, sempre que terminamos um perCurso Alpha propomos aos participantes que integrem uma Célula Paroquial de Evangelização.

Desta a vez, para além dos participantes do Alpha que aceitaram o desafio, estiveram também os elementos do Grupo de Jovens, que na foto ocupam o primeiro plano.

Eles publicaram no Facebook:
Ontem o nosso grupo de jovens esteve reunido, na última sessão do Alpha adultos, para experimentar uma dinâmica de célula. Foi muito divertido 🤗

 

Vigília de encerramento do mês de Maio

Perto de 100 pessoas vieram no serão de quarta-feira à igreja para rezar o terço a N. Senhora desatadora de nós: a celebração foi presidida pelo Diácono Albano Rosário que entendeu por bem evocar logo no início esta faceta da Mãe de Deus e que viria a dar o tom durante a meditação dos mistérios do rosário.

Findo o terço, fizemos uma procissão de velas nas imediações da igreja durante a qual entoávamos cânticos marianos.

Acabámos com uma oração de consagração diante da imagem de Nossa Senhora que se encontra no exterior (a única “peça” permanente e bem ancorada no betão, ao contrário de tudo o resto que é provisório).

Folha Paroquial nº 76 *Ano II* 12.05.2019 — DOMINGO IV DE PÁSCOA

«Nós somos o povo de Deus, somos as ovelhas do seu rebanho.»

A folha pode ser descarregada aqui.

«EVANGELHO (Jo 10, 27-30)
Naquele tempo, disse Jesus: «As minhas ovelhas escutam a minha voz. Eu conheço as minhas ovelhas e elas seguem-Me. Eu dou-lhes a vida eterna e nunca hão de perecer e ninguém as arrebatará da minha mão. Meu Pai, que Mas deu, é maior do que todos e ninguém pode arrebatar nada da mão do Pai. Eu e o Pai somos um só».»

MEDITAÇÃO
Nós somos o Povo do Senhor
Hoje, Domingo do Bom pastor, dia que se conclui a semana das vocações de consagração, gostava sobretudo de convidar-vos a fixar o vosso olhar no Bom pastor que ressuscitou e dá a vida pelas suas ovelhas. O Evangelho de hoje, bem conciso, é porém explosivo pela força que contém, e os judeus reagiram com firmeza às palavras de Jesus. Para compreendermos melhor o contexto, lembremo-nos que, antes disto, Ele estava no Pórtico de Salomão e os judeu estavam decididos a pô-lo entre a espada e a parede, perguntando-lhe: «Até quando vais tu manter-nos em suspenso? Se és o Cristo, (O Messias), di-lo abertamente»; É uma espécie de ultimato do género «sim ou não? Decide-te uma vez por todas». Em vez de responder «sim, sou o Messias», Jesus vai mais longe. Fala-lhes das suas ovelhas, o que vai dar ao mesmo! Porque o povo de Israel comparava-se a um rebanho: «nós somos o povo de Deus, o rebanho que Ele conduz» É uma fórmula que aparece frequentemente nos salmos e particularmente na deste Domingo. «Ele nos fez, a Ele pertencemos». Rebanho muitas vezes desobediente, mal conduzido pelos reis que se sucederam no trono de David mas sabia-se que o Messias, esse sim, seria um pastor atento e consagrado ao seu povo. Naturalmente, Jesus para afirmar que era o Messias, usa uma linguagem habitual sobre o pastor e as ovelhas. E os interlocutores compreenderam-no bem. Mas Jesus leva-os mais longe; falando das suas ovelhas, ousa afirmar: «Eu dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, ninguém as arrebatará da minha mão»… Fórmula audaciosa: quem pode dar a vida eterna? Quanto à expressão «estar na mão de Deus», era muito habitual no Antigo Testamento; por exemplo em Jeremias: «Vós estais na minha mão, povo de Israel, diz o Senhor, como a argila, na mão do oleiro» (Jer 18,16) e muitas outras passagens. Jesus faz referência a estas passagens bíblicas, pois acrescenta de imediato: «Ninguém pode arrebatar nada da mão do Pai». Coloca assim, claramente, no mesmo pé as duas fórmulas «a minha mão» e «a mão do pai». Mas não fica por aqui. Persiste ainda em dizer: «Eu e o Pai somos um só». E assim ele responde muito para além da pergunta que lhe é dirigida: mais do que dizer; «sim, eu sou o Messias», afirma-se igual a Deus na condição de Filho da mesma natureza que o Pai. Claro que os judeus não podiam aceitar isso, habituados como estavam a rezar todos os dias: «Escuta Israel o Senhor nosso Deus é único». Jesus foi incompreendido, perseguido, eliminado, mas alguns acreditaram n’Ele. João diz no prólogo do seu evangelho: «Veio para o que era Seu e os seus não o receberam…mas aos que o receberam, aos que creram no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus» (Jo1,11-12) Deste pequeno resto nasceu o povo cristão: «as minhas ovelhas escutam a minha voz, eu conheço-as e elas seguem-me. Eu dou-lhes a vida eterna.» Apesar da oposição que Jesus encontra, da saída trágica já previsível, há aqui incontestavelmente uma linguagem de vitória: «Ninguém pode arrebatar nada da mão de meu Pai.» É como um eco da frase de Jesus: «Coragem, eu venci o mundo». Os discípulos de Jesus, ao longo da história, têm muita necessidade de se apoiar nesta certeza: «Ninguém pode arrebatar nada das mãos do Pai.»
É bom para nós termos esta certeza. Somos o Povo que o Senhor escolheu para sua herança, o povo que está nas suas mãos e que Ele nunca abandona». Podemos passar por muitas dificuldades, perseguições, incompreensões. Temos os nossos pecados e sofremos também pelos pecados dos outros, mas nada disso nos fará ser arrebatados das mãos do Pai. Ao longo da história, Jesus chamou e configurou consigo, pelo sacramento da Ordem, homens que tornassem visível este pastoreio de Jesus. Se houve muitos que o fizeram com grande santidade de vida e souberam transparecer com grande beleza o bom pastor, outros foram mais opacos a essa luz de Jesus. É uma honra, nunca merecida, poder servir o Senhor no ministério presbiteral. Sei bem que É Ele que cuida do seu povo e é para Ele que me volto continuamente e lhe digo: Senhor, apesar de mim, não deixes de visitar o teu povo e derramar sobre Ele os teus benefícios. Que ao menos eu não atrapalhe a passagem da tua graça e da tua misericórdia. Que Eles vejam o teu rosto, tu que lhes dás a vida terna, que os alimentas, que os guardas com ternura na palma das tuas mãos. Usa-nos para anunciar a Tua Palavra e administrar os dons da tua graça, mas nunca permitas que nos esqueçamos que és tu o único pastor do teu povo, aquele que o guarda e lhe dá a vida. E a minha alegria é ver a Tua obra. Contemplar, em ação de graças, a alegria dos que Te encontram e se voltam para ti. E quantas graças temos de dar-Te por te ver a agir e a tomar conta do povo que amas. Apesar de estarmos em tempos difíceis para a tua Igreja, estou cheio de esperança no futuro e nos sinais que se anunciam já no presente. Pastoreia-nos, Jesus, conduz-nos, enche o coração dos que Te servem nas paróquias do fogo da esperança e dá a todos uma imensa alegria por servirem o Rei dos reis e o Senhor dos senhores. Derrama o fogo do teu amor sobre os jovens de hoje e chama alguns para o sacerdócio pois a tua Igreja precisa deles. Visita as nossas paróquias com o dom do chamamento pois quando experimentamos o teu amor é difícil resistir-Te. A Ti, bom pastor, que dás a vida pelas tuas ovelhas e as guardas na tua mão, o nosso reconhecimento, adoração e louvor pelos séculos dos séculos. Ámen.

«ORAÇÃO PELA VIDA
Deus Omnipotente,
que estais presente em todo o universo e na mais pequenina das vossas criaturas,
Vós que envolveis com a vossa ternura tudo o que existe, derramai em nós a força do vosso amor
para cuidarmos da vida e da beleza.
Curai a nossa vida, para que protejamos o mundo e não o depredemos,
para que semeemos beleza e não poluição nem destruição.
Ensinai-nos a descobrir o valor de cada coisa, a contemplar com encanto, a reconhecer que estamos profundamente unidos com todas as criaturas no nosso caminho para a vossa luz infinita.
Obrigado porque estais connosco todos os dias.
Sustentai-nos, por favor, na nossa luta pela justiça, o amor e a paz.
(Papa Francisco – Laudato sí)»

VISITA PASTORAL – programa

28 a 31 de Março de 2019

Quinta-feira 28.03 :
09h00: Acolhimento na igreja e oração pela visita pastoral
10h00: Visita à Escola Básica e Secundária da Quinta das Flores
11h00: Visita à Esc. Art. do Conservatório de Música de Coimbra.
13h00: Almoço com o Sec. Ex. Alpha e com a Eq. não executiva
14h30: Visita à APCC – Ass. de Paralisia Cerebral de Coimbra
15h00: Visita aos Bombeiros Sapadores
16h00: Visita à Capela do Areeiro
17h00: Visita a uma pessoa doente ou só.
18h30: Catequese familiar (1º ano)
19h30: Adoração ou vésperas
20h00: Jantar com a Célula S. José em casa do José Ferreira

Sexta-feira 29.03 :
09h30: Visita à Escola do 1º Ciclo do Areeiro.
10h15: Escola Alice Gouveia
11h00: Visita ao Polo II
12h00: Visita à Escola de Hotelaria
13h00: Almoço na Escola de Hotelaria
15h00: Atelier do Tempo e do Saber
16h00: Visita ao Atrium Solum
16h30: Café na pastelaria Vasco da Gama.
18h00: Encontro com os adolescentes (9º e 10º)
19h30: Vésperas.
20h00: Sessão Alpha

Sábado 30.03 :
11h00: Visita ao Montepio
13h00: Almoço partilhado com os pais e crianças da catequese
14h00: Reunião com as crianças e pais da catequese familiar.
16h00: Lanche
17h30: Missa presidida pelo Sr. Bispo
18h30: Encontro com todos os grupos da paróquia.

Domingo 31.03 :
10h15: Visita Capela de Sto António da Portela à Com ortodoxa.
11h00: Missa paroquial: Pontifical
13h00: Almoço final na igreja com Dança das Vitaminas.