Arquivo mensal Setembro 2021

SJBaptista reuniu os grupos da paróquia

Aconteceu nesta segunda-feira, dia 13 de setembro.

É uma longa tradição na paróquia de São João Baptista: mais ou menos de três em três meses, reunimos todos os grupos da paróquia para um momento fraterno, com alguns avisos à mistura, e de oração conjunta pela vida da paróquia.

Desta vez, havia um outro ponto na agenda: a eleição dos futuros representantes no Conselho Pastoral.

Embora tradicionalmente seja sempre um evento de grande afluência, desta vez isso não aconteceu: seja por conta do enorme temporal que se fazia sentir, seja por conta do COVID, seja por ter sido avisado demasiadamente em cima do acontecimento, foram muito poucos os que na noite de segunda-feira aceitaram o desafio de se encontrarem enquanto assembleia paroquial na nossa igreja.

Os que estiveram, depois de um momento inicial de louvor, intercederam longamente pelos dons do Espírito Santo para a nossa comunidade paroquial e para todas as vertentes e atividades que estão em curso.

SJBaptista improvisa missa campal

No passado Domingo, dia 12 de setembro, a equipa de acolhimento que cedo se desloca à paróquia para preparar tudo para que as pessoas se sintam acolhidas ao vir participar na eucaristia teve uma grande surpresa: não havia palco.

Desde maio que temos vindo a usufruir de um estrado a que chamamos palco e que a Junta de Freguesia gentilmente nos cedeu e pelo qual estamos muito gratos: tem sido uma graça podermos acolher quem quer participar na nossa eucaristia dominical sem constrangimentos de espaço nem limitações de lugares. Dá o seu trabalho, implica organização e dependência uns dos outros, mas foi fantástico e durou praticamente 5 meses o que é quase metade do ano.

Já sabíamos ou prevíamos que lá por finais de setembro, por conta do agravamento das condições meteorológicas próprio desta época do ano, o bem-bom ao qual estávamos habituados iria acabar: já assim tinha sido no ano passado.

Este ano foi mais cedo. Ou a Junta de Freguesia precisou do palco para os comícios que por estes dias se multiplicam um pouco por todo o lado ou receou que a chuva intensa que por estes dias se faz sentir o deteriorasse e passou por lá a recolhê-lo.

Da nossa parte, só nos resta um coração agradecido a Deus por estes 5 meses de liberdade e à Junta de Freguesia de Santo António dos Olivais por mais uma vez nos ter emprestado este estrado.

Para o futuro, alguma coisa se há-de arranjar.

Folha Paroquial nº 186 *Ano IV* 19.09.2021 — DOMINGO XXV DO TEMPO COMUM

O Senhor sustenta a minha vida.

A folha pode ser descarregada aqui.

EVANGELHO ( Mc 9, 30-37 )
Naquele tempo, Jesus e os seus discípulos caminhavam através da Galileia. Jesus não queria que ninguém o soubesse, porque ensinava os discípulos, dizendo-lhes: «O Filho do homem vai ser entregue às mãos dos homens, que vão matá-l’O; mas Ele, três dias depois de morto, ressuscitará». Os discípulos não compreendiam aquelas palavras e tinham medo de O interrogar. Quando chegaram a Cafarnaum e já estavam em casa, Jesus perguntou-lhes: «Que discutíeis no caminho?». Eles ficaram calados, porque tinham discutido uns com os outros sobre qual deles era o maior. Então, Jesus sentou-Se, chamou os Doze e disse-lhes: «Quem quiser ser o primeiro será o último de todos e o servo de todos». E, tomando uma criança, colocou-a no meio deles, abraçou-a e disse-lhes: «Quem receber uma destas crianças em meu nome é a Mim que recebe; e quem Me receber não Me recebe a Mim, mas Àquele que Me enviou».

 

MEDITAÇÃO DA PALAVRA DE DEUS

A liderança na igreja
Estamos a começar um novo ano pastoral e muitos cristãos, nas paróquias, estão a assumir, uns pela primeira vez, outros na continuidade do que já faziam, ministérios de corresponsabilidade na missão da Igreja. É uma missão de liderança cristã. São catequistas de crianças, animadores de adolescentes, de jovens, de pais da catequese familiar; São os membros das equipas de animação dos percursos Alpha, os líderes das várias células da Unidade Pastoral e são os animadores do percurso de casais. São ainda os membros do Conselho pastoral em formação, são os membros dos Conselhos para os assuntos económicos, são os responsáveis dos coros, animadores da ação social e ainda os membros da equipa de animação pastoral que bem podia ser chamada equipa de liderança. E não esgotei a lista.

Há quem não goste muito da palavra liderança associada à missão da Igreja, pois ligam-na mais ao mundo empresarial. No entanto, as palavras que usamos têm a sua evolução e algumas entram no vocabulário de todos os dias sendo difícil fugir a elas para nos entendermos melhor.

O que é um líder? Podemos dizer que líder é todo aquele ou aquela que tem capacidade de exercer alguma influência na vida de outros. Essa influência pode vir do cargo de responsabilidade que ocupa, mas pode vir também apenas do exemplo que dá, da aceitação que tem nos outros e que faz com que os outros o sigam e o escutem. Há pessoas que dizem genuinamente que não querem ser líderes e recusam assumir uma responsabilidade formal de estar à frente de um grupo de pessoas, mas, provavelmente, sem se darem conta, influenciam pessoas à sua volta e, nesse sentido, estão a liderar.

Jesus foi o maior e o melhor líder de todos os tempos. Ele disse que era o bom pastor, que conhece as ovelhas e a quem elas seguem com amor. No evangelho de hoje, como tantas outras vezes, vemo-lo a formar os discípulos para que eles venham a exercer uma boa missão de liderança à escala global. No final da sua formação ele dir-lhes-á: «Ide por todo o mundo, fazei discípulos em todas as nações, batizai-os e ensinai-os a cumprir tudo quanto vos mandei.» Mas estes futuros líderes têm ainda muito que aprender com o Mestre. Eles têm na mente desejos de poder e não de serviço, eles vivem ainda daquele desejo que habita no coração do homem marcado pelo pecado e que Camões, nos Lusíadas, coloca na boca do velho do Restelo: «Ó glória de mandar! ó vã cobiça desta vaidade, a quem chamamos Fama»(canto IV, estrofe 95). Os discípulos de Jesus também tinham essa cobiça lá no fundo do seu coração pois ela nasce connosco.

Iam a discutir entre eles sobre qual era o maior. A atitude de Jesus para com eles, mostra a solenidade do momento. Diz o texto:” Jesus sentou-se, chamou os Doze e disse-lhes.” Quando Jesus se senta para falar, é como o Mestre que ensina da sua cátedra aquilo que não pode ser esquecido pela sua importância. «Quem quiser ser o primeiro será o último de todos e o servo de todos». E Jesus não lhes diz nada que não lhes tenha mostrado já pelo seu exemplo e vai continuar a mostrar até ao fim.

O bom líder cristão é o que imita Jesus na sua liderança.

Há várias características do líder cristão que encontramos todas bem presentes em Jesus. Não posso aqui falar de todas e, por isso, aponto apenas duas que ressaltam do evangelho de hoje.

Liderança pelo exemplo:
“Vistes o que eu fiz? Chamais-me mestre e Senhor e dizeis bem, pois o sou. Se eu vos lavei os pés, deveis vós fazer o mesmo.” As pessoas diziam acerca de Jesus: «Ele diz e faz». Liderar através do exemplo, é saber viver de acordo com a verdade do evangelho. Imaginemos um líder a falar da importância da oração, mas que não reza, um catequista a falar às crianças e pais sobre a importância da Eucaristia, mas que depois falta a ela com regularidade, a falar aos outros sobre a unidade do casamento mas depois vive uma vida dupla, ou a trocar constantemente de parceiro, a apontar aos outros o caminho da caridade e do serviço aos pobres e aos desprotegidos mas depois recusa-se a tratar dos pais que estão dependentes e a precisar de cuidados básicos abandonando-os e fugindo covardemente às suas responsabilidades. No tempo de Jesus, os fariseus eram líderes, mas pela sua falta de exemplo, impediam as pessoas de se aproximarem de Deus e é por isso que Jesus desmascara a sua hipocrisia porque «eles dizem mas não fazem.»
O bom exemplo de Jesus ficou tão gravado nos apóstolos que eles imitaram-no e tornaram-se também eles exemplares para outros que os conheceram. O exemplo gera exemplo e atitudes verdadeiras geram vidas autênticas.

Liderar pelo serviço:
O líder é o primeiro servo de todos. Ele tem responsabilidade e poder de influência e de ação que lhe foi dado para exercer um serviço aos outros e não para controlar a vida dos outros ou exercer um autoritarismo desligado do serviço. O perigo para alguns líderes que assumem responsabilidades pode ser deixar que «o poder» lhes suba à cabeça. É uma verdadeira tentação que Jesus também sentiu, mas que rejeitou. Mas torna-se pecado quando nos deixamos levar pela tentação. O mais belo ícon de um líder é Jesus a lavar os pés aos discípulos. Jesus tinha o poder que lhe vinha de ser o Filho de Deus, mas transformou esse poder na capacidade de servir com amor.

Ser servo é aprender a ouvir os outros, a não decidir só por si, a ser capaz de se rodear de pessoas diversas e diferentes que deve escutar com atenção para não se deixar guiar só por aquilo que pensa. Servir exige coragem e determinação, mas exercida na humildade e na escuta. Líderes que não sabem ouvir correm o risco de afastar as pessoas que estão à sua volta e que querem ajudá-lo. No fim ele tem de decidir, mas a decisão pode e deve ser uma decisão partilhada, fruto do trabalho em conjunto e não decisões contra tudo e contra todos, a não ser nalgum caso de consciência que pode acontecer muito raramente.

Nenhum de nós é um líder perfeito como Jesus. Todos temos falhas, mas é bom sabermos o caminho e tentarmos ser cada dia melhores líderes por causa da missão que Deus nos confia.

A segunda leitura, tirada da carta de S. Tiago, previne-nos contra as paixões que lutam nos nossos membros; Diz ele que essas paixões são a causa de muitos dos nossas males, desordens, invejas, divisões e guerras. Ele afirma mesmo que pedimos a Deus coisas que não obtemos porque pedimos mal levados apenas pelos nossos interesses egoístas e pelas nossas paixões.

O homem novo é chamado a crucificar as paixões do homem velho e uma delas bem forte é o desejo de poder e de domínio. Por isso o bom líder está sempre atento para exercer o serviço de liderança com humildade.

Que ninguém se afaste de Deus por causa do abuso da minha liderança. Mas atenção: Pode ser também uma tentação pensar: É melhor não aceitar servir como líder pois sei que nunca serei um líder perfeito Se todos pensassem assim, não havia ninguém para servir a missão que Jesus confiou aos seus discípulos. Jesus procura corações bem-intencionados e retos; depois, Ele mesmo vem em nosso auxílio e nos ajuda no caminho da liderança

«Eu estarei convosco todos os dias até ao fim dos tempos».

Que Deus suscite cada vez mais no seio da comunidade uma multidão de pessoas que desejam servir os outros pondo os seus talentos a render com humildade. Esse bom exemplo influenciará outros e transformará a comunidade.

Inscrição Catequese

Catequese
Estão já a decorrer em bom ritmo as inscrições e renovações de inscrição em ambas as paróquias, por e-mail e outros meios: em S. José, a coordenação da catequese recebe os pais que queiram inscrever os filhos na próxima sexta-feira das 18 às 20h00, no sábado, das 17 às 20h00 e no Domingo das 10h00 às 13h00; em S. João Baptista, as inscrições estão a ser feitas na secretaria, nas tardes de terça a sexta-feira, e também podem ser feitas no fim de semana antes e depois das missas. Partilhamos convosco o número de telemóvel de duas responsáveis da catequese que estão disponíveis para esclarecer qualquer dúvida: Madalena (SJBaptista) – 914 129 723 ; Sofia Pereira (SJosé) – 964 624 417

Crisma
Estão abertas as inscrições para o crisma dos jovens que completaram o último ano do ASJ e os que frequentam o 10º ano SayYes em SJBaptista. Outras idades mais adultas que queiram também inscrever-se para este sacramento farão parte de um segundo grupo – brevemente daremos indicações.

A 8 de outubro, arrancam 2 percursos Alpha

E ao que parece, terão mesmo de ser online.

Ainda pairava no ar alguma esperança de que neste outono já pudessem ser presenciais mas, pesados os prós e os contras, tudo indica que teremos que cingir-nos à vertente online da coisa e que as paróquias terão mesmo que renovar as suas licenças do Zoom.

Por um lado, há alguma unanimidade no facto de que não é a mesma coisa: a Igreja é entre muitas outras coisas Palavra de Deus, comunhão do mesmo Pão eucarístico, mas também é assembleia reunida de fiéis num mesmo corpo cuja cabeça é Cristo. E se essa assembleia se puder reunir semanalmente e fisicamente à volta da mesma mesa, tanto melhor.

Pois parte da ementa do Alpha é isso mesmo: comunhão fraterna à volta de uma mesa com entre 8 e 12 convivas que falam um pouco de tudo, partilham ansiedades e consolos, questões e respostas. Mas por enquanto ainda terá que ficar para a próxima.

Assim, dia 8 de outubro, online, terão início dois percursos Alpha na nossa unidade pastoral: um animado pela equipa de SJBaptista e outro pela de SJosé.

Inscreva-se para ser contactado(a) por um membro da equipa em https://forms.gle/5wiSTD5iuM2HmK1P6

Um Conselho Pastoral para a Unidade Pastoral

Está em curso um processo de nomeação e eleição daqueles que haverão de integrar o Conselho Pastoral do próximo triénio e que sucederá àqueles que até agora eram próprios de cada uma das paróquias.

Será com alguma certeza um período de conversão: são duas paróquias com identidades muito fortes que se propõem de agora em diante fazer um caminho comum que irá muito para além da partilha da equipa presbiteral.

Mas contaremos, sem dúvida, por um lado com o apelo da Palavra de Deus ao acatamento da sua vontade e, por outro, com a certeza da sua graça que sempre nos acompanha quando nos dispomos a fazer a sua vontade.

É o caminho do futuro: isso no-lo têm dito o nosso Bispo e o nosso pároco, quer frontalmente quer através de cartas pastorais. É aliás um caminho que a grande maioria – se não totalidade – das paróquias da nossa diocese já encetaram antes de nós.

O novo conselho pastoral deverá reunir durante a manhã do próximo dia 9 de outubro, um sábado.

Grupo de Oração e Oração de Cura e Misericórdia apostam no presencial

O ano de 2021/21 foi, de facto, atípico: o primeiro trimestre foi sobretudo presencial, apesar do COVID; no 2º trimestre do ano, fomos forçados ao online e, depois da Páscoa, vigorou um regime misto em que uns estavam e participavam presencialmente e outros apenas online (uns porque eram de longe, por vezes de fora do país; outros porque ainda não tinham sido vacinados ou pertenciam a um grupo de risco; e outros pelas mais diversas razões…).

Neste ano de 2021/22, tanto a equipa da Oração de Cura e Misericórdia (orientada pela Comunidade Emanuel e que acontece em SJBaptista na primeira quinta-feira de cada mês) como a equipa do Grupo de Oração (que acontece na segunda e quarta quarta-feira de cada mês) estão decididas a que seja apenas presencialmente.

Para já, no momento em que este texto foi redigido, apenas ocorreu a Oração de Cura e Misericórdia e a quebra na participação é brutal, apesar de terem vindo bastantes pessoas pela primeira vez. Vamos ver: confiemos tudo isto à vontade e à providência de Deus.

Folha Paroquial nº 185 *Ano IV* 12.09.2021 — DOMINGO XXIV DO TEMPO COMUM

Caminharei na terra dos vivos na presença do Senhor.

A folha pode ser descarregada aqui.

EVANGELHO ( Mc 8, 27-35 )
Naquele tempo, Jesus partiu com os seus discípulos para as povoações de Cesareia de Filipe. No caminho, fez-lhes esta pergunta: «Quem dizem os homens que Eu sou?». Eles responderam: «Uns dizem João Baptista; outros, Elias; e outros, um dos profetas». Jesus então perguntou-lhes: «E vós, quem dizeis que Eu sou?». Pedro tomou a palavra e respondeu: «Tu és o Messias». Ordenou-lhes então severamente que não falassem d’Ele a ninguém. Depois, começou a ensinar-lhes que o Filho do homem tinha de sofrer muito, de ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e pelos escribas; de ser morto e ressuscitar três dias depois. E Jesus dizia-lhes claramente estas coisas. Então, Pedro tomou-O à parte e começou a contestá-l’O. Mas Jesus, voltando-Se e olhando para os discípulos, repreendeu Pedro, dizendo: «Vai-te, Satanás, porque não compreendes as coisas de Deus, mas só as dos homens». E, chamando a multidão com os seus discípulos, disse-lhes: «Se alguém quiser seguir-Me, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-Me. Na verdade, quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; mas quem perder a vida, por causa de Mim e do Evangelho, salvá-la-á».

 

MEDITAÇÃO DA PALAVRA DE DEUS

O servo de Deus que oferece a sua vida, sinal de Jesus
A 1ª leitura apresenta o retrato de uma figura enigmática e espantosa chamada «servo de Deus». É uma verdadeira testemunha de Deus, leva uma vida exemplar, mas é perseguido; Depois da sua morte, é que reconhecem nele o porta-voz de Deus e misteriosamente é através dele que a humanidade inteira é salva. Depois de 2000 anos de cristianismo, é natural que pensemos imediatamente que se trata de Jesus Cristo!

Mas o profeta Isaías, com toda a certeza, não pensava em Jesus quando por volta do século VI antes de Cristo, escreveu este texto durante o exílio na Babilónia. Ele dirigia-se aos exilados e dava um sentido ao seu sofrimento lembrando a esta comunidade a sua missão de serva, pois o povo Judeu sabia que tinha a missão de dar a conhecer o projeto de salvação de Deus no mundo. Para isso era preciso permanecer forte no meio de muitas tribulações.

Tudo isto Jesus viveu. E no evangelho de hoje, convida-nos a segui-Lo aconteça o que acontecer: «Se alguém quiser seguir-Me, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-Me. Na verdade, quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; mas quem perder a vida, por causa de Mim e do Evangelho, salvá-la-á».

A primeira negação de Pedro
Pedro acaba de dizer a declaração mais extraordinária que se podia dizer, nesta altura, sobre Jesus: «Tu és o Messias.» E ficamos surpreendidos pela reação de Jesus. Não recusa o título, mas pede um rigoroso silêncio sobre o assunto. É que o título era ambíguo e podia ser mal-entendido, como aliás vemos logo a seguir na reação de Pedro. Jesus é realmente o Messias esperado pelo povo Judeu, mas não é o Messias como eles esperam. E Jesus explica-o logo a seguir: “Começou a ensinar-lhes que o Filho do homem tinha de sofrer muito, de ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e pelos escribas; de ser morto e ressuscitar três dias depois”. Vemos a profunda ligação com o servo sofredor de Isaías?

Ora para os ouvidos de um Judeu isto era paradoxal e dificilmente aceitável. Eles tinham na memória o que dizia o profeta Daniel acerca do “filho do homem”, uma expressão equivalente a Messias. Vale a pena citar esses versículos: «Vi aproximar-se, sobre as nuvens do céu, um ser semelhante a um filho do homem. Avançou até ao ancião, diante do qual o conduziram. Foram-lhe dadas soberanias, glória e realeza. Todos os povos, nações e línguas o serviam: O seu império é um império eterno que não passará jamais, e o seu reino nunca será destruído.” Era um Messias assim, cheio de poder, de glória e de triunfo que eles esperavam. Por isso entendemos a reação de Pedro. Podemos mesmo afirmar que esta é a primeira negação de Pedro, a primeira recusa em seguir um Messias no sofrimento.

Jesus enfrenta esta recusa espontânea de Pedro como uma verdadeira tentação para ele mesmo e di-lo com veemência: Os teus pensamentos não são os de Deus, mas apenas os dos homens.

Os pensamentos de Deus não são os dos homens
Que a nossa maneira de ver as coisas seja humana é o mais natural! Mas precisamos, como discípulos de Jesus, deixar o Espírito transformar a nossa visão e às vezes convertê-la completamente, se queremos ser fiéis ao plano de Deus. Ao contrário de Mateus e Lucas, Marcos não nos narra as tentações de Jesus no deserto, mas não há dúvida que ele nos conta uma dessas tentações neste episódio, e uma particularmente grave e que suscita uma reação muito viva de Jesus, sinal de que deve ter travado aqui um verdadeiro combate: “olhando para os discípulos, repreendeu Pedro, dizendo: «Passa para trás de mim, Satanás», é esta a verdadeira tradução literal. Com o significado de: «Faz-te meu discípulo e deixa-te conduzir por mim, em vez de quereres ser tu a apontar-me o caminho.»

Como o servo sofredor de Isaías, Jesus está decidido a escutar o Seu Pai, a deixar-se instruir por Ele, e a cumprir até ao fim a sua missão, ainda que tenha de sofrer todos os ultrajes e humilhações que vierem. O plano de salvação de Deus não se coaduna com um Messias triunfante: Para que as pessoas cheguem ao conhecimento da verdade, é preciso que descubram o Deus de ternura e de perdão, de misericórdia e compaixão; Isso não se descobrirá em atos de poder, mas no dom supremo da vida do Filho. «Não há maior amor do que aquele que dá a vida pelos seus amigos (Jo 15,3) E convida a fazerem o mesmo que Ele todos os que O escutam, multidão e discípulos: «Quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; mas quem perder a vida, por causa de Mim e do Evangelho, salvá-la-á». Mesmo alguém que não seja ainda um discípulo de Jesus pode compreender, por experiência, que a vida ganha todo o sentido quando é oferecida. E que se perde no vazio quando se fecha no egoísmo. No fundo este evangelho é um ensinamento sobre o sentido da vida.

Como nos fala este texto à nossa vida concreta? Quantas vezes sofremos a mesma tentação de viver só para nós, de só pensarmos em nós? Quanta dificuldade encontramos quando somos convidados a servir gratuitamente na comunidade, a oferecer-nos para o voluntariado ou a renunciar a algo a que temos direito por causa dos outros?

Percurso Alpha – 8 Outubro

Dia 8 de outubro, sexta feira, queremos iniciar dois percursos: para isso são precisos participantes e apelamos à sua colaboração, convidando pessoas das suas relações.

Em breve deveremos disponibilizar mais detalhes: inscreva-se para ser contactado(a) por um membro da equipa em https://forms.gle/5wiSTD5iuM2HmK1P6

Siga-nos nas Redes Sociais

Tem vindo a ser feito um grande esforço – até com o que aprendemos com a pandemia – no sentido de garantir que conseguimos chegar e comunicar com o maior número de pessoas possível, de forma eficaz.

Em 2021 foi lançada a Revista COM, todas as semanas ocupamos duas ou mais páginas no jornal da diocese (Correio de Coimbra), temos uma Folha Paroquial intensa e atrativa, um canal no Youtube com um número simpático de subscritores e dispomos por agora de dois sites, um para cada paróquia (em breve iremos ter um único site para toda a Unidade Pastoral).

Para além disso, estamos  presentes nas mais diversas redes sociais:

  1. Facebook
    1. SJBaptista – https://fb.com/paroquiasaojoaobaptistacoimbra
    2. SJosé – https://fb.com/paroquiasaojosecoimbra
  2. LinkTree – https://linktr.ee/sjbaptista
  3. Instagram
    1. SJBaptista – https://www.instagram.com/paroquiasaojoaobaptista
    2. SJosé – https://www.instagram.com/paroquiasaojosecoimbra
  4. Twitter – https://twitter.com/PSJoaoBaptista
  5. Telegram – https://t.me/sjbaptistaesjose
  6. WhatsApp – em redefinição: https://chat.whatsapp.com/LDJFaGtBPekD1BZ4yozpDA
  7. Youtube – https://www.youtube.com/channel/UCfHSHD2wBoKn3oHKFPBhIGg?sub_confirmation=1
  8. TikTok – https://www.tiktok.com/@saojoaobaptista
  9. Calendário Google – https://bit.ly/3E3O7kW

Faça parte das nossas redes: é bom estarmos juntos!