Folha Paroquial 13.02.2022 — 6º DOMINGO DO TEMPO COMUM

Folha Paroquial 13.02.2022 — 6º DOMINGO DO TEMPO COMUM

Feliz o homem que pôs a sua esperança no Senhor.

A folha pode ser descarregada aqui.

EVANGELHO ( Lc 6, 17.20-26 )
“Naquele tempo, Jesus desceu do monte, na companhia dos Apóstolos, e deteve-Se num sítio plano, com numerosos discípulos e uma grande multidão de toda a Judeia, de Jerusalém e do litoral de Tiro e Sidónia. Erguendo então os olhos para os discípulos, disse: Bem-aventurados vós, os pobres, porque é vosso o reino de Deus. Bem-aventurados vós, que agora tendes fome, porque sereis saciados. Bem-aventurados vós, que agora chorais, porque haveis de rir. Bem-aventurados sereis, quando os homens vos odiarem, quando vos rejeitarem e insultarem e proscreverem o vosso nome como infame, por causa do Filho do homem. Alegrai-vos e exultai nesse dia, porque é grande no Céu a vossa recompensa. Era assim que os seus antepassados tratavam os profetas. Mas ai de vós, os ricos, porque já recebestes a vossa consolação. Ai de vós, que agora estais saciados, porque haveis de ter fome. Ai de vós, que rides agora, porque haveis de entristecer-vos e chorar. Ai de vós, quando todos os homens vos elogiarem. Era assim que os seus antepassados tratavam os falsos profetas.”

 

MEDITAÇÃO DA PALAVRA DE DEUS

A formação dos discípulos
As bem-aventuranças são como que um evangelho dentro do Evangelho, são o coração da mensagem de Jesus. O Pai que nos enviou o seu Filho quer que nos tornemos semelhantes a Ele que “é o primogénito de uma multidão de irmãos e irmãs”. Esta configuração faz-se pelo conhecimento de Jesus e por indo pondo em prática o seu estilo de vida.

É sobre este conhecimento de Jesus que iremos dedicar os três próximos Domingos. Trata-se da formação dos discípulos, o terceiro essencial da vida cristã.

Não se trata somente de adquirir conhecimentos sobre Deus, sobre Cristo ou sobre o Evangelho, mas de se comprometer num caminho que mobilize o coração, a inteligência e a vontade para aprender a conhecer melhor a Deus, a imitar Cristo e a deixar-se conduzir pelo Espírito, pessoalmente e em comunidade.

A finalidade da formação cristã é essencialmente a configuração a Cristo. Ela desenvolve-se ao longo de toda a vida e cada um é, em parte, responsável por procurar esta formação. Ela dirige-se à inteligência, ao coração e à vontade.

Trata-se de formar discípulos-missionários no seio das paróquias que, pouco a pouco se tornem comunidades de discípulos missionários.

Formar-se é conformar todo o seu ser a Cristo
O Documento de Aparecida, propõe uma definição: “Junto a uma forte experiência religiosa e a uma destacada convivência comunitária, os nossos fiéis precisam aprofundar o conhecimento da Palavra de Deus e os conteúdos da fé, visto que esta é a única maneira de amadurecer a sua experiência religiosa. Nesse caminho, acentuadamente vivencial e comunitário, a formação doutrinal não se experimenta como conhecimento teórico e frio, mas como ferramenta fundamental e necessária no crescimento espiritual, pessoal e comunitário. (Documento Aparecida nº 226) No nº 142, do mesmo documento, os bispos da América latina afirmam: “No seguimento de Jesus Cristo, aprendemos e praticamos as bem-aventuranças do Reino, o estilo de vida do próprio Jesus: o seu amor e obediência filial ao Pai, a sua compaixão entranhável frente à dor humana, sua proximidade aos pobres e aos pequenos, a sua fidelidade à missão encomendada, o seu amor serviçal até à doação da sua vida. “

Formar-se na escola de Cristo
Jesus disse: «vinde a mim e aprendei de mim que sou mando e humilde de coração.». Assim a formação do discípulo tem por objetivo imitar Jesus deixando-se formar por Ele. Por isso, convido a olharmos para quatro aspetos principais da vida de Jesus.

Primeiro, Jesus é conduzido pelo Espírito. No seu batismo o Espírito repousa sobre Ele e a voz do pai faz-se ouvir exprimindo-lhe o seu amor; Depois é conduzido ao deserto pelo Espírito onde vai ser fortificado perante a tentação. Dali, é o mesmo Espírito que o conduz abrindo-lhe uma nova etapa missionária. «O Espírito do Senhor está sobre mim porque me ungiu e me enviou…( Lc 4,18)

O segundo aspeto é estar habitado pela Escritura. Jesus alimenta-se da palavra de Deus: A satanás responde: Está escrito: Nem só de pão vive o homem mas de toda a palavra que sai da boca de Deus” ( Mt 4 ,4) Ele é também formado pela Palavra de Deus. «Esta Palavra que escutais não e minha mas do Pai que me enviou» ( Jo14,24)

Terceiro aspeto, a ação de Jesus é orientada para as pessoas que encontra no seu caminho. Ele deixa-se interpelar por Maria nas bodas de Caná. Ele enche-se de compaixão pelos doentes que acaba por curar. A fé de uma mulher estrangeira que le pede pelo seu filho doente é ocasião para ele alargar a sua ação para além das fronteiras do Povo de Israel.

Quarto aspeto, É ensinado pelos acontecimentos. Ele apercebe-se das circunstâncias que o vão conduzir à Paixão. Ele ora para poder aceitar essas circunstâncias e não fugir delas. O autor ca carta aos Hebreus diz: «Apesar de ser Filho de Deus, aprendeu a obediência no sofrimento, e tornado perfeito tornou-se para todos os que lhe obedecem fonte de salvação eterna (Heb 5,8).

Como é que Jesus formou os seus discípulos?
Formou-os no modelo que Ele próprio viveu. Chamou-os um por um «para estarem com Ele» (Mc 3,14), ensinou-as a falar com o Pai na oração Lc 11, 2.4) e a pedir o Espírito Santo ( Lc 11, 9-13). Iniciou-os na vida fraterna vivida no quotidiano e Ele próprio viveu sempre com eles, e eles puderam testemunhar o que fazia e dizia. Associou-os à sua missão de compaixão e cura. Tirou tempo para reler e avaliar com eles as suas experiências de missão. Preparou-os para a sua paixão e, depois da sua ressurreição, enviou-os cheios do Espírito, ao mundo inteiro para, por sua vez, fazerem também discípulos como Ele fez com eles.

«Ide pelo mundo inteiro fazei discípulo, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a cumprir tudo quanto vos mandei.» (Mt 28, 19-20)

Por este mandato missionário, Jesus envia os seus discípulos com uma finalidade precisa indicada pelo verbo no imperativo «Fazei discípulos». Os outros verbos, batizai-os e ensinai-os é a forma de fazer discípulos….Fazei discípulos batizando-os e ensinando-os …»

Como formar discípulos hoje?
Certamente será seguindo o modelo que Jesus nos deixou: Abertura pessoal ao Espírito Santo, ancorando-se na Palavra de Deus, a relação com os outros e a o ter em conta os acontecimentos.

Iremos falar no próximo Domingo destes aspetos importantes para a nossa formação como discípulos.

Deixar uma resposta

A não perder nos próximos dias: