Arquivo da categoria Percurso Alpha

Cultura do Convite

Tudo começou em 20 de Setembro de 2019, depois de um dia particularmente difícil. Sou de Barcelos, à data tinha 58 anos, e estava a iniciar o 3.° ano de doutoramento em Engenharia Química na Universidade de Coimbra. Era sexta-feira. Depois de jantar resolvi ir até à sala de estudo do Polo 2, ouvir palestras que me ajudam a ficar menos triste. Encontrei por acaso a Graça Ferreira, a dona da casa onde moro cá em Coimbra, que me falou no percurso Alpha. Nesse momento estava a decorrer uma sessão de apresentação na paróquia de S. João Baptista, igreja que eu já frequentava para assistir à Eucaristia dominical, e onde me sentia tão bem! De mochila às costas, imediatamente resolvi ir.

Fiquei aturdida quando vi a Ana Paula Cunha, a filha da minha Professora primária, que já não via há mais de 45 anos. Após a surpresa do reencontro, a atmosfera contagiante de alegria e de fé impeliram-me a inscrever-me de imediato. Infelizmente, a obrigatoriedade do meu trabalho experimental, a decorrer quer na Universidade de Coimbra, quer na Universidade do Minho, em Guimarães, fez com que falhasse algumas das sessões (entre as quais o fim-de-semana Alpha). Em Fevereiro de 2021, durante o surto pandémico COVID-19, a Ana Paula Cunha convenceu-me a fazer de novo o percurso, que seria online, o formato ideal para as minhas contingências de trabalho.

Fazer o percurso Alpha foi uma das vantagens desta pandemia. O meu testemunho numa palavra?

Sublime. Foi a maravilhosa perceção do quanto Deus nos ama; do poder incomensurável da oração e de como rezar pode ser inebriante; aprendi que a verdadeira grandeza está no serviço aos outros; aprendi que a vida pode ser vivida com mais alegria e maior serenidade, uma sensação inexplicável que nada nem ninguém nos pode tirar.

As minhas experiências de vida tinham-me já ensinado os benefícios de ser perseverante. Posso com alguma autoridade afirmar que o percurso Alpha complementou essa virtude, nomeadamente o aceitar de tudo o que se nos depara na vida. Contudo, essa aceitação não significa de todo conformismo, já que o foco nos objetivos a que nos havíamos proposto, permanece. Esta vivência fez-me perceber, ainda melhor, o dito do sábio indiano Nisargadatta Maharaj:” In my world, nothing ever goes wrong”.

Dou graças a Deus pelos meandros tão inconstantes da minha vida, que sem que conscientemente fizesse algo para isso, se cruzaram com a fervilhante Paróquia de S. João Baptista, onde eu sei que agora tenho verdadeiros amigos.

Teresa Linhares

Cultura do Convite – Sandra Ventura

O meu Percurso Alpha começou no meio de uma conversa de amigas. A Celina e eu somos amigas há muitos anos e de vez em quando combinamos um café para pôr a conversa em dia.

A Celina estava a frequentar o Alpha e explicou-me no que consistia e eu fiquei interessada – quando surgiu este Percurso ela deu logo o meu contacto.

Fui católica praticante (não sei se este é o termo mais correcto) até aos meus 20 anos. Ia à missa todos os domingos e fiz a minha formação na catequese até ao Crisma.

Depois veio o ensino superior (longe de casa)… e fui-me afastando presencialmente… mas nunca na minha fé… casamento, filhos e depois as atividades físicas – natação de competição dos dois com treinos diários e bi-diários e provas de fim de semana completos, enfim… uma canseira com muita compensação de os ver crescer como seres humanos, com vitórias, pódios, mas também momentos de frustração e algumas lágrimas.

Mas, ao mesmo tempo, comecei a sentir um vazio por dentro, sentir que algo me faltava e foi aí que surgiu esta conversa de amigas. Nada acontece por acaso e sinto que Deus tem estado sempre presente para me mostrar o caminho. Se calhar já teria mostrado antes e eu não vi?? Não sei.

Todas as sessões tiveram como base uma questão, que num ou outro momento da minha vida já me tinha colocado. Num entanto, acho que aprendemos muito mais quando podemos trocar ideias com outras pessoas, o chamado “brainstorming”, que é isso mesmo: uma tempestade de ideias/opiniões na nossa cabeça. Gostei particularmente da sensação de poder dar a minha opinião sem me sentir julgada/ criticada, o que nos dias que correm não é fácil.

Senti também que “alarguei horizontes” no meu pensamento, a minha perspetiva, o meu conhecimento sobre estas questões. Os filmes são fantásticos e ao assistir a eles começava logo a pensar, a tomar notas sobre aspetos dos quais queria falar nas nossas conversas.

Em algumas sessões ficaram palavras por dizer, pois todas as pessoas tinham de falar. Segundo a opinião dos meus filhos “Mãe, tu falas muito” ?

Pois: e às vezes também escrevo muito…

Resta-me agradecer-vos mais uma vez por esta oportunidade de crescimento na minha fé e como pessoa.

Bem-haja a todos vós e que Deus esteja convosco.

Sandra Ventura

Cultura do convite – O percurso Alpha

A (minha) Francisca Eiriz vê corações, e vê o meu. Sabia que Ele existia nele, entre os meus silêncios, nas palavras escritas, nas lágrimas derramadas, e nos sorrisos de esperança. Com a mensagem “é agora”, o convite chegou (uma vez mais) para embarcar no percurso Alpha. Com um percurso muito meu na fé, as reticências de quem não sabia o que ali poderia encontrar estavam presentes. Confiei. Confiei uma vez mais na “voz que não se impõe” e que “ouvia a segredar”. As noites de partilha, o coração quente e a transbordar, a generosidade de todos na mesa, a força transformadora da comunidade, o encontro com Ele. Cada palavra e momento partilhado pelos que comigo fizeram este caminho comigo, tornaram não só o percurso mais rico, como me tocaram, me revelaram o dom da amizade, da verdade, da vida. Tudo isto, e tanto mais fizeram parte de uma profunda experiência, transformadora e que me fizeram ouvir novamente a sua voz, e em avançar com Ele, que comigo sempre está. Com a paz no coração, que este percurso muito meu na fé, é assim mesmo, nosso. O Alpha foi e é ponte, abraço, comunhão com Ele.

Rita de Almeida Neves

Uma visão de crescimento

Em todo o Novo Testamento e particularmente nas parábolas de Jesus, a ideia de crescimento do reino é uma constante: a primeira parábola de domingo passado, a da semente do trigo, acentua a ideia do espanto do agricultor que vê a planta desenvolver-se, passando pelas várias etapas da sua maturação sem ele saber como. Ele sabe que semeou a semente, mas reconhece que o que fez é quase nada diante do mistério daquele desenvolvimento que começa por dar, primeiro, a planta, depois, a espiga e, por fim, o trigo maduro na espiga. O agricultor não nos dá a ideia de ser alguém ansioso e perturbado; pelo contrário, ele dorme descansado, pois levantando-se pela manhã, e olhando a planta, depara-se sempre com a alegria de ver a planta a crescer e a desenvolver-se. Este agricultor parece mais um contemplativo do poder daquela semente que traz consigo uma força misteriosa, uma graça de crescimento.

A segunda parábola, do grão de mostarda, acentua a ideia do crescimento. Começa por sublinhar a pequenez e a modéstia da semente: “Ao ser semeado na terra, é a menor de todas as sementes que há sobre a terra”, para depois mostrar como a pequenez não é nenhum problema e que pode ser mesmo um bem. “Depois de semeado, começa a crescer e torna-se a maior de todas as plantas da horta, estendendo de tal forma os seus ramos que as aves do céu podem abrigar-se à sua sombra”.

Na Carta aos Efésios, Paulo meditava sobre o mistério da Igreja que formamos e diz que «Em Cristo qualquer construção bem ajustada, cresce para formar um templo santo no Senhor.» E mais à frente diz: «É por Ele que o corpo inteiro, coordenado e unido, por meio de todas as junturas, opera o seu crescimento orgânico segundo a atividade de cada uma das partes, a fim de se edificar na caridade» (Ef 4,16): Quer dizer que o crescimento é de todo o corpo e não só de uma das partes.
S. Lucas diz-nos, nos Atos dos Apóstolos, que «O Senhor aumentava todos os dias os que entravam no caminho da salvação”. E podíamos continuar….

Jesus na sua ação de bom pastor e Mestre tinha uma visão de crescimento do reino a longo prazo. Durante os seus três anos de vida pública como Messias dedicou-se intensamente à formação do grupo dos doze discípulos. Ensinou-lhes tudo o que recebeu do Pai e, depois de ressuscitado, enviou-os por todo o mundo com a força do Espírito Santo, para que também eles fizessem discípulos em toda a parte. O crescimento tornou-se então exponencial e imparável gerando uma nova civilização.

E entre nós? O reino de Deus cresce? Se fossemos a julgar pelo número de pessoas que vêm à missa, diríamos que não, mas além de ainda estarmos em pandemia, esse não é o critério maior para nos darmos conta do crescimento do reino de Deus. Cresce quando alguém experimenta em si a novidade do encontro com Deus que a transforma e lhe dá uma nova vida e uma nova esperança no futuro. A partir desse encontro a pessoa reorganiza-se e reinventa-se para viver ao jeito de Jesus e ao estilo das bem-aventuranças que Ele pregou.

Com o coração agradecido ao semeador, parece-me que, durante este ano que estivemos em pandemia, o reino de Deus cresceu no meio de nós. Temos sido testemunhas de um grande crescimento na fé de muitas pessoas e na sua inserção na Igreja. A pandemia não foi um obstáculo, mas uma oportunidade de lançar a semente do Evangelho em muitos corações através dos percursos Alpha online de adultos e jovens. As células aumentaram muito com pessoas que sentiram vontade de fazer um caminho novo com Cristo e com os irmãos. Foram mais de 50 pessoas novas que decidiram inserir-se nas células, que são pequenos grupos de dimensão familiar que se encontram semanalmente para orarem juntos, partilharem a Palavra de Deus, viverem a dimensão fraterna e servirem os irmãos. Já são mais de 150 pessoas que nas nossas paróquias se reúnem, nas suas casas, uma vez por semana. Mas sonhamos em alcançar as 500, dentro de 3 anos, se for essa a vontade de Deus. Por isso começámos um fórum aberto a todos, online, ontem, segunda-feira, às 21:30.

Há ainda outros irmãos que ingressaram no percurso de S. José que é um caminho de catequese de adultos. Também umas dezenas de irmãos aceitaram servir nas equipas de animação do percurso Alpha onde continuam o seu crescimento na fé e no serviço. Novos irmãos entraram como catequistas e outros sentiram o apelo a servir em equipas de acolhimento aos seus irmãos à entrada da igreja para que tudo fosse feito em segurança. E podíamos continuar a celebrar a graça operante de Deus que faz crescer entre nós o seu reino. O que interessa, em primeiro lugar, é o crescimento na vida da graça ou na santidade, mas se este crescimento interior existir, vai provocando, por atração, o crescimento numérico, a não ser que haja forças exteriores que o impeçam.

A visão que nos orienta e produz paixão em nós, é de crescimento e, em S. José, é descrita com o seguinte enunciado: Paróquia de S. José é uma comunidade que nasce do encontro pessoal com Cristo, cresce pela comunhão com Deus e com os irmãos, forma discípulos que evangelizam com ousadia e servem com amor.

Tudo começa com o encontro pessoal com Cristo que transforma a vida, mas depois vem o crescimento que se opera na união com o Senhor e na construção de relações fraternas, na formação de discípulos que evangelizam e servem.

A Visão de S. João Batista tem outro enunciado, mas baseia-se no mesmo, pois é o mesmo pároco que não pode ter duas visões. Paróquia de S. João Baptista é uma comunidade orante e acolhedora, enraizada em Cristo, que serve e anuncia o evangelho para a transformação do mundo. Estão presentes os mesmos 5 pontos essenciais que operam o crescimento; a evangelização como prioridade intencional, a vida orante e sacramental, a construção de laços fraternos para vivermos como irmãos, o crescimento ou enraizamento na vida de Cristo e o serviço na comunidade e aos pobres.

Que nós continuemos a preparar o campo e a lançar a semente e Ele faça germinar e crescer a planta sem sabermos bem como. Mas estamos-lhe muito gratos pela sua obra.

De visita a SJBaptista

Já por diversas vezes aqui demos conta do facto de muitos dos participantes nos nossos últimos percursos Alpha serem oriundos das mais diversas cidades e aldeias deste país.

No entanto, se há algo que marcou todos quantos se têm deixado envolver nesta aventura é que o facto de ser em ambiente virtual não implica que não seja real.

Disso mesmo deram conta alguns irmãos que no passado dia Corpo de Deus fizeram questão de vir participar presencialmente nesta comunidade paroquial na qual participam de forma virtual porque em videoconferência: primeiro no Alpha e agora nas Células Paroquiais de Evangelização nas quais muitos se integraram.

A cultura do convite

Somos um casal, Lucélio Costa e Thaís Medeiros de origem angolana e brasileira respectivamente. Residimos em Coimbra onde estamos a realizar as nossas formações acadêmicas.

Fomos convidados pela Sra. Ana Dioniz para experimentar o Alpha. A princípio estávamos com receio, porque não sabíamos o que era o Alpha. Tentamos o Alpha, vimos e permanecemos. Podemos dizer que foi uma das melhores coisas que nos aconteceu como casal, nos sentimos acolhidos com amor, por toda equipa, principalmente pelas pessoas (Joana e Claudio) que dirigiram o grupo com mestria onde estávamos inseridos (mesa 7).

Mesmo distantes das nossas famílias, no Alpha encontramos uma nova família que nos ajudou a resgatar a fé que andava cada vez mais desfalecida, ajudou-me a ser mais ativo nas relações interpessoais, tirou-nos da angústia que sentíamos todos os dias por causa do período de confinamento e por estar longe de casa. Para nós, o mais gratificante foi viver a fé de uma maneira diferente e intensa ao lado de uma nova família que aqui ganhamos.

O ponto mais alto deste percurso foi sem dúvidas o fim de semana Alpha onde sentimos o poder da oração dos irmãos e a presença do Espírito Santo. Tentamos viver a nossa fé todos os dias, alimentando-a com oração e compartilhando-a com a bela família que ganhamos do Alpha.

Lucélio Costa e Thaís Carla
Paróquia de São João Baptista – Coimbra

Dia Alpha

Em meados de abril arrancámos na nossa Unidade Pastoral com um percurso Alpha destinado a jovens com idades compreendidas entre os 16 e os 20 anos.

Como está a ser online, via Zoom, acabámos por ter muito mais participantes – em Alpha chamamos-lhes convidados – de fora que de dentro.

No próximo sábado terão aquilo a que normalmente se chama o “fim de semana” e dadas as circunstâncias se limitará a uma jornada, também ela online – e que por isso se chama agora “Dia Alpha”.

Convidamos todos a rezar pelos bons frutos desde dia, durante o qual iremos pedir ao Senhor que derrame abundantemente sobre cada um deles o seu Espírito Santo.

O Alpha foi e continua a ser uma Incrível Experiência!

Fiz o meu Alpha no último trimestre de 2020, já em plena pandemia e numa versão totalmente online. Tive conhecimento do percurso por intermédio de Amigos, que tanto insistiam comigo para o fazer… Não recordo quantas vezes fui desafiado, mas sempre adiava porque “Não há tempo”, “Tenho muito trabalho” e “Fica para a Próxima”.

Surgiu então o confinamento de 2020 e o teletrabalho. Emergem também as novas ferramentas de comunicação digital. Perante um novo convite, para participar no 2º Alpha online da paróquia de São João Batista, resolvi aceitar, já que o poderia fazer confortavelmente, a partir da minha secretária ou do meu sofá.

Então, sem o esperar, o Alpha foi uma incrível experiência! Tal como me tinham dito no convite, no Alpha ninguém é obrigado, ninguém é persuadido e ninguém é condicionado. A timidez e desconfiança inicial, rapidamente desapareceu, para dar lugar a uma intensa empatia e união de grupo. O que o Alpha tem de diferente e de extraordinário, é exatamente este ambiente de liberdade, de descontração e de igualdade, em que cada um pode partilhar e discutir as suas opiniões, as suas crenças e as suas dúvidas, numa fraterna convivência sem tabus.

Sempre vivi a minha Fé (e também a falta dela), de uma forma muito própria, independente, e muitas vezes “escondida”. O Alpha mudou essa vivência, alimentada por novos e verdadeiros Amigos, muitos que ainda só conheço “virtualmente”, mas que me fizeram (re)viver novamente a Fé em Cristo.

O percurso terminou no Natal, mas as surpresas continuavam. Ao convite do “cativante” Padre Jorge, aceitei novo desafio de continuar a fazer o Alpha, desta vez nas equipas de animação, mas ainda de forma hesitante porque “não tenho tempo”.

De forma subtil, quase inexplicável, reorganizei o meu tempo no trabalho, a minha motivação aumentou e o tempo que nunca tinha, pareceu surgir do nada. Dei por mim a mudar prioridades, tempo para o trabalho, tempo para a minha mulher e para o meu filho, tempo para os meus pais, tempo para estudar, mas também tempo para a minha nova família em Fé de SJB que tanto adoro!

Hoje posso dizer que compreendo melhor o termo Comunidade e Igreja. Quando nos dedicarmos um pouco mais aos outros, vemos a Vida de modo diferente. As nossas fraquezas, medos, frustrações e tristezas perdem importância para se transformarem em Força, Coragem, Motivação e Alegria.

Com Fé e Confiança partilhemos o Amor de JC numa nova forma de (Vi)ver a Vida.

Um Abraço Fraterno!

Luís Miguel Pires

Alpha – o testemunho da Cláudia Assis

Quando vi no Facebook de uma amiga o convite para o ALPHA, fui pesquisar sobre o tema e entendi logo que era o que eu procurava há muito…

Como é que posso caracterizar o percurso ALPHA?

Foi tão especial que é difícil descrevê-lo através de palavras…

Mas posso dizer que foi intenso, fascinante, motivador!!!

Era o momento mais especial da semana, era o meu momento, era o momento do encontro… especial…

Faz lembrar aquela passagem do Principezinho: “Se vieres, por exemplo às quatro horas da tarde, desde as três eu começarei a ser feliz. Quanto mais a hora for chegando, mas eu me sentirei feliz.” Conseguem sentir???

Os vídeos são simplesmente brutais!!! Têm que ver!!!

Estes pequenos encontros serviam para encher a semana de paz, tranquilidade, alegria, boa disposição…
Mas Deus conhece-me melhor que ninguém, sabe que preciso de provas evidentes de que está entre nós… e fez-me uma surpresa!

Na oração de intercessão do fim-de-semana ALPHA, depois de terem rezado por mim, alguém leu uma passagem da Bíblia…

No final, lembrei-me de ir buscá-la e tentar encontrar a leitura… qual agulha no palheiro… mas quem procura encontra… qual não é o meu espanto quando abro a livro aleatoriamente e a página em que abri era a página da leitura!!! Como era possível!!! Fiquei estupefacta… mas a Deus nada é impossível!!!

O que posso mais dizer???

Talvez sugerir o ALPHA 2, 3, 4…

Cláudia Assis – Paróquia de São Julião da Barra – Oeiras

Percurso Alpha Jovens arrancou dia 28

Depois da sessão de apresentação no passado dia 16, esta quarta feira à noite arrancou o percurso propriamente dito com a primeira sessão:  “Quem é Jesus”.

Ainda vamos a tempo de convidar e inscrever jovens das nossas relações entre os 16 e os 20 anos: até ao segundo encontro, é possível integrar este percurso: https://linktr.ee/sjbaptista

Quantas vezes pensamos que perguntas como “Porque estou aqui?”, “De onde venho?”, “Para onde vou?”, “Porque sofremos?” são apenas nossas. Mas não estás sozinho nesta jornada – não és o único com todas estas questões! Liga-te e conversa com pessoas que têm as mesmas questões do que tu.

Se tens entre os 16-20 anos, fica em casa, no conforto do teu sofá, traz as tuas próprias perguntas e junta-te a nós para o Alpha Online de São José e São João Baptista. Esperamos por ti!